Dicas de bistrôs, bares e restaurantes em Paris | Conexão Paris

Os melhores hambúrgueres de Paris

Os melhores hambúrgueres de Paris

Por Bruno Matos

Desde que eu me entendo por gente, eu sou um grande fã de hambúrgueres. A quinta-feira do hambúrguer é uma tradição na minha casa que seguimos quase religiosamente por mais de 15 anos. Quando eu vim pra França em um programa de duplo diploma de 3 anos, tive que abandonar o hambúrguer caseiro. Mas abandonar a Quinta do Hambúrguer? Nunca! A solução foi procurar as melhores hamburguerias de Paris e testar cada uma delas em quintas-feiras diferentes e em outros dias de semana também. Toda quinta tem hambúrguer, mas a reciproca não é verdadeira. O hambúrguer também cai bem em qualquer outro dia da semana, sobretudo no fim de semana. Passados um ano e meio que estou aqui, posso dizer que sou um dos maiores especialistas de hambúrgueres de Paris, ao menos dentre os que falam a língua de camões.

  • Paris New York – PNY
PNY

PNY

Com 3 locais em Paris. Todos valem a pena, mas o meu preferido é o do Marais. Mais arrumado, mais charmoso e numa região super legal. O cardápio de hambúrgueres não é tão grande assim, mas você tem pelo menos umas 5 opções. O primeiro do cardápio é temporário e não fica no site porque muda com frequência. Os outros, mais tradicionais, sempre estiveram na lista e você pode conferir aqui.

Já experimentei vários deles, mas o que vale realmente sua posição dentre os melhores hambúrgueres de Paris é o THE RETURN OF THE COWBOY. Um hambúrguer tradicional: pão, hambúrguer, queijo cheddar, molho barbecue, bacon, cebola caramelizada e a única inovação: um onion ring. Vai por mim, mesmo se você não gostar de cebola (você pode tirar ela ou não) esse hambúrguer é sensacional. Desde o pão macio e fresco, até a carne no ponto certo*. Eu gostei bastante das outras opções quando eu provei, mas a verdade é que eu sempre ficava arrependido de não pedir o Cowboy. Com certeza um dos melhores hambúrgueres de Paris.

*À point, pronuncia-se a poã – ao ponto, quer dizer, vermelha por dentro. Pedido seguro, sem erros. Saignant, pronuncia-se seinhã – mal passada. Tradução literal: sangrando, mas algumas pessoas acham “vivo” mais adequado. Eu gosto. Bien cuit, pronuncia-se biã cuí – bem passado. Eu nunca pedi assim porque não gosto.

Hambúrguer do PNY

Hambúrguer do PNY

Executado à perfeição em todas as vezes que eu comi. Para os mais esfomeados existe a opção de dobrar o hambúrguer, mas eu fico satisfeito com o tamanho normal. Como opção de acompanhamento, você tem as fritas normais por 3,40, ou a Loaded Fries, que vem com cheddar maturado e bacon por 4.60 euros. Nesse quesito, o PNY talvez deixe um pouco a desejar. A batata é ok, mas não está a altura do hambúrguer. Mas não se preocupe, o hambúrguer é tão bom, mas tão bom, que compensaria mesmo se eu tivesse que acompanhá-lo com uma saladinha.

Preço do hamburguer: 11.60 euros sem a batata. PNY Marais (1, rue Perré – Paris 75003) – PNY Oberkampf (96, rue Oberkampf – Paris 75011)
– PNY Faubourg Saint Denis (50, rue du Faubourg Saint-Denis – Paris 75010). Ponto positivo: todo o conjunto do hambúrguer. Ponto negativo: batatas fritas.

  • Le Mal Barré
Le Mal Barré

Le Mal Barré

Le Mal Barré é uma das minhas hamburguerias favoritas de Paris. ela está situada no 10ème arrondissement, perto do Canal de Saint Martin. A região é bem agradável para um passeio. A decoração do restaurante é simples e não merece nenhuma menção especial, mas o hambúrguer…

Na última vez cheguei quase 15h da tarde, bem no final do horário de almoço, com medo de eles não aceitarem mais clientes. Como eu já conhecia o lugar, já pedi de cara o ‘Le Parmesan’ sem nem olhar o cardápio. Mas você pode consultar as opções aqui.

Os ingredientes do Parmesan são: 150 g de carne, presunto de parma, parmesão, tartar de tomates frescos e confitados, manjericão, creme de leite e espinafre.

Haambúrguer do Le Mal Barré

Hambúrguer do Le Mal Barré

Se no papel o hambúrguer já parece bonito, espere até ele chegar na mesa. Ele é simplesmente sensacional. O efeito visual do presunto de parma e do creme de leite é realmente incrível. E mesmo se a visão aumentou as expectativas do paladar, elas foram superadas na primeira mordida. O pão talvez seja um pouquinho seco, mas ele combina perfeitamente com o creme de leite e o tartar de tomate. A carne é gostosa, sem ser excepcional, a mistura /presunto de Parma e o resto dos ingredientes não te deixará esquecer esse hamburguer. Ele foge do tradicional queijo, bacon, cebola, mas ele inova usando ingredientes aclamados na culinária. O resultado é fantástico.

Resumindo, o hambúrguer tem gosto de Itália. Um um grande elogio, já que a culinária italiana é uma das melhores do mundo.

Se um dia eu tiver uma hamburgueria, provavelmente pegarei a idéia dos Sanduíches de Países que o McDonalds faz durante a Copa do Mundo (vamos admitir, o Marketing do McDonald’s é muito melhor que os hambúrgueres de lá). O hambúrguer da Itália seria o Le Parmesan.

Todos os hambúrgueres vêm acompanhados de salada e batata ao forno. É verdade que geralmente a batata frita casa melhor com um hambúrguer, mas esse não é um hambúrguer qualquer, e a troca foi aprovada. O Le Mal Barré tem um lugar especial dentre os meus restaurantes preferidos de Paris.

Preço do Hamburguer: 12 euros. Endereço: 47 rue Lucien Sampaix – 75010 Paris. Metro: Jacques Bonsergent. Ponto positivo: a mistura de ingredientes que foge do hambúrguer comum.

Starvin' Joe

Starvin’ Joe

  • Starvin’ Joe

Esqueça o glamour de Paris. O Starvin’ Joe não é o restaurante que alguém associaria a Paris. Ele não é um lugar de turistas, mas um daqueles segredos que só poderia ser descoberto por indicação ou por moradores da região. Ele fica perto da Bastilha, no 11eme arrondissement. Um dos bairros menos turísticos de Paris, mas que tem uma enorme variedade de restaurantes e bares que animam a vida noturna da região. A sua falta de glamour contribui pro seu charme. Banquinhos de metal, algumas cadeiras de madeira, decoração ‘trash’. Em Paris, o Starvin’ Joe é quase o equivalente do bar ‘copo sujo’.

O cardápio é simples: hambúrgueres tradicionais com pequenas variações e com preços que vão de 9 a 12 euros (com batata incluída).

Hambúrguer do

Hambúrguer do Starvin’ Joe

Como grande fã de pimenta, gosto muito do Spicy Cheddar: um dos melhores pães de hambúrguer que eu ja comi, carne no ponto certo, cheddar, molho apimentado ou pimenta jalapeño. Uma delícia, mas precisa amar comida apimentada.

Para quem não quiser se aventurar no hambúrguer picante, o Cheddar Classique também é excelente. É o cheeseburguer tradicional, com o molho da casa. Sem erro. Quando a receita é clássica o segredo é usar bons ingredientes. É o que o Starvin’ Joe faz. Outra boa opção é o Cheddar Mature, que se diferencia do Cheddar Classique por ser feito com um queijo cheddar maturado por 18 meses.

Todas as opções vem com a batata frita acompanhada de um molho da casa sensacional. A batata é sequinha, crocante por fora e macia por dentro e o molho é tão bom que eu sempre peço mais um potinho. Tá bom, eu confesso – às vezes eu uso a batata como ‘colher’ pro molho.

O Starvin’ Joe tem um lugar especial no meu coração (ou estômago), e poderia encabeçar a lista de melhores hambúrgueres de Paris em diferentes categorias: Melhor Custo-Benefício e ‘Melhor Achado’.

Se quiser ter uma experiência diferente em Paris, com uma verdadeira dica local, o Starvin’ Joe é uma ótima pedida.

Cheddar clássico, preço hambúrguer: 11 euros com batata. Pontos positivos: o preço, o pão, o queijo, a batata e o molho.

Spyce Cheddar, preço: 15 euros. Pontos positivos: o preço, o pão, o queijo, a batata e o molho. Ponto negativo: a pimenta pode roubar o gosto do sanduíche.

  • Big Fernand
Big Fernand nas Galeries Lafayette

Big Fernand nas Galeries Lafayette

O Big Fernand é uma rede de hambúrgueres francesa fantástica, com vários endereços em Paris e na França. A ideia é o serviço rápido. Nada de slow-food. Quando paguei já estava recebendo minha bandeja e pronto pra ir comer. Apesar de ser uma rede de fast food, a qualidade do Big Fernand é excepcional.

Os restaurantes usam um contraste do preto e madeira clara na decoração, sem nada que chame muito a atenção. Os funcionários usam roupas xadrez, à moda Hipster, atendem com eficiência e um sorriso.

A hamburgueria oferece 6 hambúrgueres no cardápio incluindo um vegetariano, um de frango e um de cordeiro. Apesar de não levar o nome da casa, o que eu recomendo é o Bartholomé: carne de boi, queijo tipo raclette, bacon defumado, cebola caramelizada, cebolinha, molho barbecue e o molho da casa ‘Tata Fernande’. Os ingredientes praticamente não fogem do tradicional Bacon Cheeseburger, mas o gosto dele é único. E excelente.

Hambúrguer do Big Fernand

Hambúrguer do Big Fernand

O pão vem macio e molhado por dentro. A carne, no tempo certo, é saborosa. O queijo raclette é uma alternativa bem interessante ao tradicional cheddar. O bacon, a cebola, a cebolinha e os molhos completam o hambúrguer, que encanta mais pelo conjunto que pela qualidade individual de cada ingrediente.

O hambúrguer custa 12 euros, mas por 15 euros você leva a promoção completa com bebida e as Fernandines, que é como eles chamam a batata da casa. E vale a pena. As batatas sequinhas e crocantes são o acompanhamento ideal pro seu hambúrguer.

O único ponto negativo do Big Fernand é que como ele é um fast food, ele não é o lugar ideal pra refeições longas e para prolongar a conversa na mesa depois da refeição. A rotatividade do restaurante é alta e você pode se sentir pressionado a liberar a mesa logo após terminar. Mesmo assim, o Big Fernand figura entre as melhores hamburguerias parisienses. Provavelmente o melhor para uma refeição rápida durante o dia, sem atrapalhar a programação.

E eles acabaram de abrir uma filial na Galerie Lafayette (1° andar da seção masculina). Uma ótima opção pra fazer uma pausa durante as compras.

Você também pode visitar o Big Fernand nesses endereços:

– Big Fernand “Poissonnière” – 55 rue du Faubourg Poissonnière – Big Fernand “Montorgueil” – 32 rue Saint-Sauveur

– Big Fernand “Saint Honoré” – 40 Place du Marché Saint Honoré

Preço do hambúrguer Le Bartholomé: 15 euros com batata e bebida. Ponto positivo: o conjunto. Ponto negativo: do hambúrguer, nada. Do restaurante, a pressão pra sair após a refeição.

  • Roomies
Roomies

Roomies

O hambúrguer da vez foi o Roomies, que fica em uma rua só pra pedestre bem agradável de passear.

Quando li o nome do restaurante, imaginei que seria um ambiente descontraído, meio hipster. E ele é exatamente assim. A decoração é de madeira prensada com alguns post-its espalhados pelas paredes e ate pendurados no lustre.

O atendimento é feito por jovens eficientes e de bom humor.

A filosofia dos hamburgeures roomies é a seguinte: Você tem 3 bases: hambúrguer com bacon, hambúrguer tradicional, hambúrguer vegetariano (adivinha qual o que menos sai?). Um queijo e um molho dentro de  várias opções e escolhas ilimitadas de acompanhamentos vegetais. Além dos hambúrgueres personalizados, eles oferecem o Roomies, único hambúrguer ja montado: pão, carne, queijo tomme de Savoie, cebola caramelizada, tomate, cebolinha e o molho Roomies.

Hambúrguer do Rommies

Hambúrguer do Rommies

Quando o hambúrguer tem o nome da casa, geralmente significa que é o carro chefe do restaurante. Resolvi seguir a especialidade da casa, mas com um acréscimo: bacon. Não tive nenhum arrependimento em relação a minha escolha.

Já no primeiro toque no hambúrguer, fiquei animado. O pão é extremamente macio, um dos melhores que eu já comi. A carne também macia e saborosa. O hambúrguer quase não oferece resistência às mordidas. Ele se despedaça na sua boca. No entanto, mantém-se milagrosamente inteiro na sua mão. O molho da casa e a cebola caramelizada são gostosinhos e o bacon crocante contrasta bem com a maciez do conjunto. Enfim, um hambúrguer que vai ficar na memória e que já estou ansioso para ir de novo.

Preço do hambúrguer: 12 euros com acompanhamento. Endereço: 14 rue de Cygne – 75001 Paris. Metrô Etienne Marcel. Pontos positivos: o pão, a maciez do conjunto. Ponto negativo: a batata poderia ser melhor.

Bonus: Le Camion Qui Fume

Le Camion qui Fume

Le Camion qui Fume

Não era quinta feira, mas eu fui no cinema da Biblioteca François Mitterrand e resolvi comer nos Food Trucks que ficam lá todos os dias. Vocês já devem ter percebido que eu tenho uma queda por hambúrgueres né? Não deu outra. Fui de Le Camion Qui Fume, talvez o Food Truck mais famoso de Paris.

Ele fica em frente o cinema MK2 da Biblioteca todas as noites, mas vocês podem encontrá-los em outros lugares durante o dia. Só olhar no site: lecamionquifume.com.

Hambúrguer do Camion qui Fume

Hambúrguer do Camion qui Fume

A primeira mordida no Barbecue Burger já explica a fama que eles têm. O hambúrguer é uma delicia. O molho vem na quantidade certa, nem muito pouco que você nem sente, nem molho demais que encharca o pão, desmonta o hambúrguer e lambuza nossas mãos enquanto comemos. Exatamente a quantidade que deve ter, casando com o resto dos ingredientes. Para completar, uma cebola empanada – que eu não percebi que estava entre os ingredientes – me surpreendeu. E olha que eu não gostava de Onion Rings. Aliás, eu tinha tantos problemas com cebolas até alguns anos atrás que se minha mãe soubesse dessa história ela teria dito que o hambúrguer fez milagres.

Talvez o milagre não se repita com vocês, mas tenho certeza que esse hambúrguer vai agradar, principalmente se você gosta da atmosfera urbana dos Food Trucks. Eu particularmente gosto muito deles porque eles dão vida a uma cidade ou a um bairro, alegrando os espaços públicos. Em geral, a qualidade é pior que a de um restaurante normal em função das limitações que eles têm (principalmente de espaço), mas o Le Camion Qui Fume não sofre com isso. Mesmo no caminhão, eles conseguem servir um hambúrguer excelente que compete com os melhores de Paris.

Bruno tem 23 anos, é estudante de engenharia da UFMG, no Brasil, e da ENPC, na França. Apaixonou-se por Paris pela primeira vez em 2008, quando veio a turismo. Redescobriu a paixão em 2012 quando fez um curso de francês de um mês na capital francesa, e voltou a Paris em 2014, onde vive desde então. Além dos hambúrgueres, Bruno ama futebol e viagens.

restaurantesConheça o guia do Conexão Paris Restaurante e Outras Delícias, à venda na nossa lojinha. O guia traz uma seleção  dos melhores restaurantes da cidade, além de queijarias, patisseries, caves, bares etc.

O conteúdo deste post foi decidido pela equipe editorial do Conexão Paris, tendo como critério a relevância do assunto para nossos leitores, não havendo nenhum vínculo comercial com qualquer empresa ou serviço citado no texto. Não recebemos qualquer tipo de remuneração pela escrita e publicação deste texto. Conheça a política de remuneração do Conexão Paris.
Últimos pitacos (3/6), ver todos os comentários
  • "adorei o post dos hamburguers, e realmente o ..."

    Marina Giuberti
  • "Minha sugestão é o Le Pain Du Chai em Bercy. ..."

    Flávio Motti
  • "Eu comi exatamente esse no PNY. O melhor hamb ..."

    Fabiana
Deixe seu pitaco

A tradicional e a nova gastronomia em Paris

O Septime em Paris traduz em perfeição a nova gastronomia francesa. Discreto e cool, o restaurante é comandado pelo jovem chef (e ex-grafiteiro) Bertrand Grébaut. A cozinha aberta sob o pequeno salão é como um grande palco onde ele rege com pulso forte (fortíssimo, às vezes furioso!) sua orquestra de cozinheiros. Decoração minimalista. Ambiente descontraído, serviço […]

Leia mais →

A padaria e os doces franceses

Torta de framboesa, éclair (a famosa bomba, em português), financier, Saint-Honoré, Babá au Rhum… A lista de doces tradicionais franceses é grande. E a pâtisserie é um dos destaques da culinária francesa. Em Paris, existem patisseries excelentes – algumas comandadas por chefs-patissiers famosos ou especializadas em alguma receita específica (leia aqui os melhores endereços de Paris). Comer […]

Leia mais →

Drinks de inverno

Durante os meses mais quentes do ano é fácil pensarmos em um coquetel refrescante: a caipirinha, o spritz e o gim tônica são a cara do verão. Mas e no inverno? Quais os drinks apropriados para a estação? Temos como escapar do vinho tinto, do vin chaud e de outros coquetéis também quentes? Na França, como […]

Leia mais →

Qual vinho casa melhor com fondue e raclette?

Entre os pratos típicos de inverno que nós citamos no artigo Comidas e restaurantes para curtir o inverno estão o fondue e a raclette. Esses são pratos relativamente simples e “rústicos” no que tange a preparação mas que suscitam algumas dúvidas quanto ao vinho que irá melhor acompanhá-los. Conversamos com a Marina Giuberti, sommelière brasileira em Paris […]

Leia mais →
694 posts