Conexão Paris: as melhores dicas de Paris e da França

Os franceses e o cigarro

Cinzeiro na porta do restaurante

Cinzeiro na porta do restaurante

Eu não sei se realmente eles fumam muito ou se temos esta impressão porque eles fumam nas ruas. Dentro do meu círculo social, família e amigos, ninguém fuma. Mas, uma vez na rua, esbarro com fumantes em pausa café/cigarro na porta dos escritórios e lojas. Ao andar por Paris observo as varandas e mesas externas de cafés e restaurantes ocupadas por fumantes. À noite, os passeios ficam entupidos de fumantes diante das discotecas, cinemas e bares. Já presenciei passageiros do TGV descerem nas paradas o tempo de duas tragadas.

Mas as estatísticas são claras: a França possui 16 milhões de fumantes, ou seja, um terço das pessoas de 15 a 85 anos fumam. As medidas de interdição de fumar nos lugares públicos aplicadas em 2007 e 2008 foram benéficas na luta contra o tabagismo passivo, mas não tiveram efeito real sobre o número de fumantes. No início dos anos 2000 houve mesmo um aumento do tabagismo feminino.

Os índices são elevados também para os jovens: 40% de fumantes regulares na faixa etária entre 16 e 25 anos. O tabaco é a primeira droga consumida pelos menores de 15 anos: 26% dos adolescentes são fumantes regulares.

Cinzeiro na porte de prédio de escritório

Smokers Station: cinzeiro na porte de prédio de escritório

Este último número coloca a França em décimo oitavo lugar com um tabagismo de jovens mais elevado que os adolescentes gregos, portugueses e poloneses.

Conclusão: eles fumam realmente muito.

Na vã tentativa de impedí-los de fumar, o governo francês publicará, no final de junho, um decreto proibindo o cigarro nas áreas de jogos infantis. A partir deste verão será proibido fumar nos escorregadores, carrosséis e similares.

E a lei é válida também para você, turista brasileiro. Se for fumante, esqueça seu cigarro em casa quando sair com as crianças.

 

O conteúdo deste post foi decidido pela equipe editorial do Conexão Paris, tendo como critério a relevância do assunto para nossos leitores, não havendo nenhum vínculo comercial com qualquer empresa ou serviço citado no texto. Não recebemos qualquer tipo de remuneração pela escrita e publicação deste texto. Conheça a política de remuneração do Conexão Paris.
Últimos pitacos (3/9), ver todos os comentários
  • "franceses comem cigarro ... fato"

    Fabiolla
  • "Sou noiva de um francês e por isso digo: fran ..."

    Sofia
  • "Tive a sensação de que seria asfixiada pela f ..."

    Adriana Rezende
Deixe seu pitaco

A Air France e os brasileiros

Em conversa com o pessoal da Air France Brasil, descobri que os comissários de bordo da companhia são treinados para garantir um atendimento especial aos brasileiros. Aliás, não só aos brasileiros. A empresa entende que cada povo tem a sua cultura e procura sempre se adequar às especificidades de cada país.

Curiosa, quis saber como é o atendimento aos brasileiros.

Em primeiro lugar: a Air France sabe que somos um povo alegre e hospitaleiro. E que gostamos de ser tratados da mesma forma – valorizamos um serviço caloroso, gentil, e apreciamos um sorriso. Ao contrário, não lidamos bem com frieza e arrogância.

Os tripulantes da Air France são orientador a atender os brasileiros com especial cordialidade. Um sorriso é sempre bem-vindo.

Os tripulantes da Air France são orientados a atender os brasileiros com especial cordialidade. Um sorriso é sempre bem-vindo.

A Air France entende que o brasileiro, muitas vezes, está acostumado a ser servido dentro da própria casa. Portanto, é alto o nosso nível de exigência para o serviço de bordo. Mas não apenas, somos exigentes em todas as áreas: pontualidade, segurança e comunicação.

Somos reconhecidos pela companhia pela nossa higiene. Hábitos que muitas vezes podem ser comuns para os franceses – como pegar o pão com as mãos – devem ser evitados pelos comissários.

Gostamos de refrigerantes, especialmente zero e light

Gostamos de refrigerantes, especialmente zero e light

E temos gostos especiais. Os comissários sempre devem procurar servir gelo e limão junto com as bebidas frias. Gostamos de refrigerante (agora a Air France oferece Guaraná nos voos de e para o Brasil), em especial os lights e zero. E também de adoçantes e de leite para o café.

Tanto à bordo quanto no aeroporto Charles de Gaulle, a Air France tem funcionários fluentes no português do Brasil.

Tanto à bordo quanto no aeroporto Charles de Gaulle, a Air France tem funcionários fluentes no português do Brasil.

Além desses cuidados especiais, a Air France tem 60 tripulantes brasileiros e aproximadamente 500 funcionários que falam fluentemente o português do Brasil. Todos os voos de ou para o Brasil contam com pelo menos um comissário brasileiro – e outros dois que falam português com fluência. E a equipe de solo do aeroporto Charles de Gaulle, em Paris, também conta com atendentes que falam português. O objetivo da companhia é fazer o brasileiro se sentir acolhido, confortável e seguro, mesmo estando fora de casa.

Saiba mais o que a Air France oferece aos passageiros brasileiros nos aeroportos franceses em que opera.

Leia mais:

 

 

Este post é fruto de uma parceria comercial entre o Conexão Paris e a Air France. Salientamos que aceitamos parcerias comerciais apenas de empresas que conhecemos e testamos os seus serviços, e publicamos apenas informações que julgamos relevantes para nossos leitores e possam auxiliar no planejamento de suas viagens. Veja todos os posts patrocinados pela Air France. E conheça a política de remuneração do Conexão Paris.
Últimos pitacos (3/12), ver todos os comentários
  • "Oi, Neftalí, quando lia teus comentários tamb ..."

    Dillemba
  • "Se você for viajar pela Air France na econômi ..."

    Vera
  • "Oi Rodrigo! Pois é, meu nome é uma homenagem ..."

    Neftalí
Deixe seu pitaco

Colonel, uma sobremesa bem francesa

Nos tempos do nutricionismo correto, certos costumes (deliciosos) da gastronomia francesa podem parecer surpreendentes. No final de uma refeição equilibrada – uma entrada leve seguida por um peixe grelhado – minha amiga francesa pediu, para nós duas – uma sobremesa que não conhecia. Pelo seu olhar, percebi que o pedido era especial. Neste dia conheci […]

Leia mais →

A gastronomia francesa ainda é relevante?

Por Carlos Dardot, chef franco-brasileiro, graduado em relações internacionais, atualmente morando em Paris para cursar a Escola Ferrandi Não é só de guia Michelin que se alimenta o cenário gastronômico internacional. A aclamada lista Wolrd’s 50 Best Restaurants da S.Pellegrino & Acqua Panna, que classifica estabelecimentos do mundo todo, é ansiosamente aguardada por profissionais e interessados da […]

Leia mais →

Pressionismo: a arte urbana no museu.

por Rodrigo Lavalle A exposição “Pressionismo: as obras de arte do grafite em tela”, em cartaz na Pinacoteca de Paris, apresenta quase 100 quadros produzidos por grandes grafiteiros norte-americanos e franceses entre os anos 70 e 90. O termo “pressionismo” foi inteligentemente criado para designar o trabalho dos street artists feito em telas convencionais e não nos muros das cidades. A […]

Leia mais →
4325 posts