Conheça as diferentes tradições de Natal de algumas regiões francesas.

Apesar da França ser um país bem pequeno em relação ao Brasil (do tamanho da Bahia), suas diversas regiões têm características, costumes e gastronomia próprios e particulares. Isso se reflete também nas tradições de Natal de cada uma delas. Veja abaixo alguns exemplos:

Alsácia

A Alsácia é a região francesa que mais representa o Natal, afinal de contas, a tradição dos mercados de Natal nasceu lá. As celebrações começam 4 domingos antes do Natal (o Advento) e vão até o dia 6 de janeiro (Dia de Reis). Em cada um desses 4 domingos é acesa uma vela da coroa do Advento, feita de galhos, ramos e pinhas.

Tradições de Natal

Colmar, na Alsácia, decorada para o Natal (foto: )

No dia 6 de dezembro, Saint Nicolas (santo que serviu de inspiração para o Papai Noel) distribui mexericas, pão de especiarias e doces às crianças.
Algumas especialidades gastronômicas dessa época: berewecke (pão com frutas, sem fermento), bredala (bolinho), springerle (biscoito), chrischtstolle (bolo de amêndoas e passas), manala (brioche em forma de bonequinho).

Borgonha

Na Borgonha, o ancestral do Papai Noel é o Père Janvier. Segundo a tradição, até a década de 1930 era ele quem passava para distribuir os presentes às crianças, na companhia do Père Fouettard. Outro costume era colocar um pedaço de lenha acesa na porta de casa na véspera de Natal para que a Virgem viesse se aquecer.

Tradições de Natal

Escargots com salsa (foto: )

O cardápio de Natal também é diferente, sem salmão defumado ou foie gras, mas com especialidades regionais, como os escargots, fricassée de miúdos e ovos meurette (ovos pochés com molho à base de vinho tinto, toucinho, cebola e cogumelos).

Bretanha

Na Bretanha o Natal mistura tradições cristãs e pagãs. Diz a lenda que durante as dozes batidas da meia-noite do dia 24/12, os sinos de antigas cidades submersas ressoam em toda a Bretanha e os menires (monumentos pré-históricos de pedra, cravados verticalmente no solo) saem do chão para se banharem em água benta. A árvore de Natal celebra o renascimento do sol.
Antes da missa da meia-noite, as famílias compartilham o tradicional crepe bretão e colocam um pedaço de tronco – decorado com guirlandas de hera e salpicado com água benta e sal – na lareira. Geralmente isso é feito pelo membro mais velho e pelo membro mais novo da família. Após sua combustão, as cinzas são recolhidas e guardadas. Acredita-se que elas tenham virtudes medicinais, além de proteger a casa contra raios e cobras. O tronco – chamado bûche de Noël em francês – tem vários nomes em bretão: kef an nedelec, skod an nedeleg, an etev nedeleg ou tos an nedeleg. Ele vem de um carvalho, castanheira ou macieira.

Tradições de Natal

Bûche de Noël – Tronco de Natal, tradicional sobremesa francesa de Natal (foto: )

A tradição da bûche de Nöel existe sob várias formas em toda a França e foi se transformando durante os séculos. Ela deu origem a tradicional sobremesa de Natal de mesmo nome, sobre a qual já falamos aqui.

Provence

Na Provence, o Natal é baseado em tradições ancestrais. O destaque fica por conta de pequenas figuras em argila, geralmente muito coloridas, chamadas Santons (sobre os quais já falamos aqui). Eles representam todos os personagens do presépio e da vida cotidiana de um vilarejo francês.
As comemorações começam no dia 4 de dezembro (dia de Santa Bárbara – Sainte Barbe – que, por ter se recusado a casar a fim de não renunciar a fé cristã, foi aprisionada em uma torre e decapitada a mando de seu pai) e vão até o dia 2 de fevereiro (dia da festa de Chandeleur – dia de Nossa Senhora das Candeias no Brasil), no qual comemos crepes.
Na noite da véspera do Natal, são colocadas três toalhas brancas na mesa e são servidos sete pratos frugais – simbolizando as sete dores de Maria – acompanhados por treze pãezinhos. Embora os sete pratos variem de casa para casa, eles são na maioria das vezes acelga, aipo, couve-flor, espinafre, bacalhau, omelete, escargots, sopa de alho… Nada de carne vermelha! Somente peixes, crustáceos, gratinados, legumes, sopas. Depois vêm as famosas 13 sobremesas, que permanecerão na mesa de Natal até o dia 27 de dezembro!

Tradições de Natal

As 13 sobremesas de Natal da Provence (foto: © REY Jerome / Maxppp)

As 13 sobremesas são uma referência ao número de convidados na Última Ceia. São elas:

  • O pompe à huile, um brioche que deve ser partido com as mãos e não cortado, lembrando o pão dividido por Cristo na sua última refeição.
  • Os 4 mendiants (espécie de hóstia de chocolate com frutas em cima) que representam as ordens religiosas dos mendicantes: nozes e avelãs, que representam a ordem dos Agostinianos; passas, que representam a ordem dos Dominicanos; as amêndoas, que representam a ordem dos Carmelistas e os figos, que representam a ordem dos Franciscanos.
  • As tâmaras, que representam o Cristo e os Reis Magos vindos do oriente médio.
  • O torrone preto que simboliza o mal.
  • O torrone branco que simboliza o bem.

As 8 sobremesas citadas acima são consideradas os “pilares” – aquelas que não podem faltar na noite de Natal. Em seguida cada família adapta as seguintes opções de acordo com seu gosto e tradições locais:

  • Frutas frescas da estação: mexerica, laranja, maça, peras, uvas, melão verde etc.
  • Navettes de Marseilles (clique aqui).
  • Marmelada.
  • Marzipã.
  • Calissons d’Aix (en Provence), doce feito de melão e amêndoas.
  • Frutas cristalizadas.
  • Queijo de cabra servido em um pote com óleo aromatizado.
  • Ameixas secas.

Leia também