A sommelière brasileira das caves Legrand, Ana Carolina Dani, nos conta sua experiência e nos dá dicas da rota dos vinhos da Alsácia.

A rota dos vinhos da Alsácia é uma das mais antigas e pitorescas da França. São quase 170 km que vão desde a cidade de Marlhenheim, ao norte de Estraburgo, até a cidade de Than, no sul da região. O percurso atravessa quase 70 cidades e vilarejos produtores de vinhos, muitos clasificados entre os mais bonitos e charmosos da França. O trajeto é um verdadeiro tesouro para os enófilos, mas também para quem curte arquitetura e história. O que faz da rota dos vinhos da Alsácia um circuito completo e adaptado para todos os gostos.

rota dos vinhos da alsacia

Vista da cidade de Estrasburgo a partir do topo da barragem Vauban. David Almeida no Flickr

A Alsácia

A Alsácia está situada na região nordeste da França, entra as margens do Rio Reno – na fronteira com a Alemanha – e a cordilheira de Vosges. Ela é uma das regiões mais peculiares da França, tendo sido considerada, ao longo de sua história, por vezes como território alemão, por vezes como território francês. Como se não bastassem os deliciosos vinhos ali produzidos, os vilarejos alsacianos são de tirar o fôlego, aliando charme e uma forte identidade cultural.

A região produz 70% de vinhos brancos feitos, em sua maioria, com as uvas Riesling, Pinot Gris, Gewuztraminer e Muscat, também chamadas de “castas nobres”. Ao todo, 51 denomincações são classificadas como “Grands Crus” com nomes por vezes difíceis de pronunciar para os menos habituados, como Altenberg de Berhgheim, Sonnenglanz, Schlossberg, Furstentum ou Frankstein. E uma das regões produtoras com a maior diversidade geológica da França, com vinhos de estilos e personalidade bastante diferentes.

Os brancos alsacianos variam, então, muito em função do estilo de cada produtor, da geologia do terroir e das castas utilizadas. Um branco à base de Riesling apresenta, geralmente, mais corpo e profundidade, maior tensão e acidez do que um Muscat, por exemplo, de perfil mais simples e frutado. Os Gerzwustraminer são bastante redondos, aromáticos, com notas florais e de frutas maduras. Um Pinot Gris sera mais generoso, revelando nuances defumadas e tostadas.

O percurso

Para os mais corajosos e aplicados, uma opção é fazer o circuito inteiro do norte ao sul, começando pela cidade de Estrasburgo. A capital alsaciana é fácilmente acessível de trem. De Paris, são necessárias somente duas horas em TGV (trem rápido) para chegar a Estrasburgo (veja no fim do artigo as várias formas de chegar à Estrasburgo). Daí, a melhor opção é alugar um carro e se lançar pela rota dos vinhos. Diversos percursos são propostos no site da Route des Vins d’Alsace e pelo Ofício de Turismo da Alsácia, entre eles duas rotas com o label “Vignobles et Decouvertes”.

Estrasburgo

Quem tiver pouco tempo e preferir ter como base Estrasburgo, pode se concentrar nos arredores da capital alsaciana. Os vinhedos de Kochersberg, da Couronne d’or e de Molsheim são acessíveis facilamente de carro, mas também de bicicleta. Para tanto, basta pegar a ciclovia do canal de la Breuche, que liga Estrasburgo à cidade de Soultz-les-Bains e à ciclovia dos vinhedos da Alsácia.

Rosenwiller e Orschwiller

Um pouco mais ao sul, entre os vilarejos de Rosenwiller e Orschwiller, ingressamos no “coração” da Alsácia, rota que recebeu o selo “Vignobles et Découvertes”. São 37 municípios, sendo alguns imperdíveis, como Obernai, cidade natal do patrono da Alsácia; Mittelbergheim, um dos vilarejos mais bonitos da França; Itterswiller e Barr com suas simpáticas ruas e casas floridas, ou, ainda, Scherwiller e suas construções em colombages típicas do século 18.

Colmar

Toda a região é muito bonita e pitoresca, porém se o viajante apressado tiver que privilegiar um só circuito na Alsácia, probavelmente seria a cidade de Colmar, 65 km ao sul de Estrasburgo e próxima da fronteira com a Alemanha. A cidade é puro charme. Com suas construções em colombages, sua catedral gótica e outros resquícios da Idade Média, lembra um cenário de conto de fadas.

rota dos vinhos da alsacia

Bairro Petite Venise em Colmar

Como se não bastasse, está rodeada por alguns dos maiores terroirs para vinhos da região, reunindo grande parte dos grandes crus alsacianos, num percurso que vai desde a cidade de Bergheim, terra do excelente produtor Marcel Deiss, até o municipio de Guebwiller, a 27 km de Colmar.

rota dos vinhos na alsacia

Riquewhir

Dois destinos quase obrigatórios na região sao as pitorescass e charmosíssima cidades de Riquewihr e Ribeauvillé (a 16 km de Colmar), duas verdadeiras pérolas na rota dos vinhedos alsacianos que, juntas, abrigam 13 Grands Crus, entre eles os célebres Sonnenglanz e Schoenenbourg. Aliás, os vinhedos de Schoenenbourg são fácilmente acessíveis a pé a partir da rua principal de Riquewihr, terra de produtores como Hegel e do excelente Domaine Trapet.

rota dos vinhos da alsacia

Vinhas do Gran Cru Schoenenbourg, do Domaine Trapet, com o vilarejo de Riquewhir ao fundo.

Outra opção imperdível é a cidade de Kaysesberg. O caminho a pé até o castelo medieval visível do centro da cidade, se faz margeando as vinhas do Grand Cru Scholssberg, com uma vista incrível sobre o vilarejo e vinhedos. Para os enófilos e apreciadores dos brancos alsacianos, também vale um pulo em Epifg, onde fica o Domaine Ostertag, e em Turckeim, do excelente Domaine Zind-Humbrecht. Já quem prefere a linha “natural” pode tentar dar um pulinho no Domaine Binner, em Ammerschwihr.

rota dos vinhos da alsacia

Vinhedos ao redor de Kaysesberg

Quando ir

Mas atenção, embora a maioria das vinícolas fiquem abertas ao público o ano todo, algumas não recebem sem hora marcada ou durante os períodos de trabalho mais intenso, como a época da colheita, em geral em setembro. Uma boa opção é a primavera, em que as temperaturas são mais amenas e em que já se podem apreciar as vinhas carregadas de uvas. No sentido inverso, durante o inverno as videiras estão adormecidas, porém os produtores têm mais tempo e a neve, que cai regularmente na região, oferece uma paisagem inusitada e encantada.

Domaine Ostertag: +33 (0)3 88 85 51 34

Domaine Binner: +33 (0)3 89 78 23 20

Domaine Marcel Deiss: +33 (0)3 89 73 63 37

Domaine Trapet: +33 (0)3 80 34 30 40

Domaine Zind-Humbrecht: +33 (0)3 89 27 02 05

Maison Hugel et Fils: +33 (0)3 89 47 92 15

Como ir de Paris até Estrasburgo

De trem. Em 2 horas é possível fazer Paris Gare de l’Est /centro de Estrasburgo. A duração da viagem e os preços podem variar de acordo com o mês, o dia da semana e a hora escolhida para a viagem. E se comprar sua passagem com antecedência – clique aqui – consegue preços mais baratos ainda.

De avião. A viagem de avião dura 3 horas saindo de Paris (há uma escala), verifique as escalas de cada voo. Pela Air France, você pode comprar a passagem direto do Brasil para Estrasburgo, fazendo uma parada grátis em Paris (na ida e/ou na volta). Veja aqui as melhores ofertas da Air France.

De carro. Passando por Reims, Epernay e Metz. Belo passeio na região da Champagne. Obtenha o orçamento das principais locadoras de carro na França aqui.

De ônibus. Esta costuma ser a opção mais barata mas também a mais longa, com cerca de 6h30 de viagem. O ônibus sai da estação Paris Bercy. Consulte valores, disponibilidade de horários e faça a compra da passagem pelo site da empresa de ônibus OuiBus (clique aqui).


A Travel Wifi aluga dispositivos portáteis que fornecem conexão wifi e também vende chips para celular que funcionam na França e Europa.

No site Booking você reserva hotéis com segurança e tranquilidade e tem a possibilidade de cancelamento sem cobrança de taxas.

Pesquise horários de trens e preços de passagens e compre a sua com antecedência para garantir os melhores preços.

No site Seguros Promo você compara os preços de várias empresas seguradoras e contrata online o seu seguro de viagem.

Obtenha o orçamento das principais locadoras de carro na França e faça sua reserva para garantir seu carro na Rentcars.

Veja as melhores ofertas de passagens aéreas da Air France.