por Rodrigo Lavalle

No divertido livro ‘Dessine-moi un Parisien’ o escritor Olivier Magny trata dos clichês comumente associados aos seus conterrâneos parisienses. Sempre com muito humor e ironia, o autor fala sobre o estilo de vida, modo de pensar, agir e se vestir de quem nasceu ou renasceu em Paris. Assim como todo clichê, o que Olivier escreve é cheio de verdade e de uma pitada de exagero. Alguns capítulos inclusive parecem contradizer outros. O mais importante é não levar o livro muito a sério mas usá-lo como um introdução ao tema. Separei e comentei os capítulos relacionados à moda ou ao estilo de se vestir dos parisienses. Mais um artigo para complementar nossa investigação sobre o assunto (outros posts aqui, aqui e aqui).

  • Vestir preto (Porter du noir):

Olivier escreve que os parisienses gostam de se vestir de preto da cabeça aos pés porque é simples, básico e assim eles passam facilmente desapercebidos. As mulheres em especial preferem o preto porque ele ‘emagrece’. A única outra cor aceitável é o azul marinho pois ele tem “o bom gosto de ser facilmente confundido com o preto”.

Como eu escrevi no artigo sobre o casaco vermelho, em Paris as pessoas não são coloridas. A maioria opta por roupas escuras porém não só o preto; marinho e marrom também entram na jogada. Pessoas usando preto é mais evidente no inverno pois quase todo mundo prefere comprar casacos de inverno dessa cor.

  • As meias brancas (Les chaussettes blanches):

Um dos capítulos mais radicais do livro! Olivier começa dizendo que o parisiense crê profunda e intimamente que todo ser humano deve ser respeitado MENOS aqueles que usam meias brancas! Para os parisienses usar meia branca com sapato social é a pior das faltas de gosto. É aceitável porém usar meia branca com tênis desde que a pessoa esteja praticando algum esporte no momento.

Confesso que nunca reparei se os parisienses usam menos meias brancas que os brasileiros – que usam bastante! Já reparei sim que vários homens usam meias coloridas ou com pradronagens. Mesmo alguns deles que usam terno para trabalhar tentam quebrar a monotonia usando meias coloridas.

. O jeans (Le jean):

Aqui Olivier argumenta que o jeans serve como um divisor de idades: todos os parisienses com menos de 50 anos usam jeans enquanto que todos aqueles com mais de 50 anos não os usam. Mesmo para o uso de algo tão básico e corriqueiro quanto uma calça jeans, os parisienses possuem ‘regras’: não é de bom tom usá-los com tênis (a não ser com All Stars); as camisas devem sempre estar por dentro do jeans mas as t-shirts e as polos não. Um conselho importante que Olivier dá é que se deve escolher bem o corte do jeans que se usa pois ele diz muito sobre a orientação sexual de uma pessoa. O autor não oferece explicações mais detalhada a respeito disso…

O jeans é uniforme mundial e em Paris não é diferente. Porém aqui não existem tantos malabarismos criativos nos jeans como no Brasil: bordados, lavagens, estampas, patchworks, etc… E é óbvio que muita gente os usam com tênis (mas muitos homens usam com sapato e paletó). Na verdade vejo poucas pessoas usando jeans com All Star e tênis de academia. Os homens preferem os Vans ou então modelos bem simples também de lona de marcas como Fred Perry ou Le Coq Sportif.

Antes de escrever o livro, Olivier escrevia um blog em inglês – Stuff Parisians Like – com o mesmo tema.