Todo país tem um emblema outro que a bandeira: a águia na Alemanha, o leão na Inglaterra, o galo na França.

O galo é a figura simbólica mais antiga do país e uma das mais populares.

Portão do Palais de l'Élysée

Portão do Palais de l’Élysée

Se você prestar atenção verá galos para todos os lados. O mais famoso de todos é o que decora o belo portão de ferro forjado do palácio do Governo, o Palais de Élysée. Quando estiver na avenida Champs Elysées, passe por perto para conhecê-lo.

Ponte Alexandre III

Ponte Alexandre III

Gosto muito também do discreto galo que decora os lampadários da ponte Alexandre III.

Galo, no alto das torres das igrejas

Galo, no alto das torres das igrejas

No interior da França, encontramos galos sobretudo no alto das torres das igrejas. Neste caso ele é figura simbólica da proteção.

Monumento dedicado aos girondinos em Bordeaux

Monumento dedicado aos girondinos em Bordeaux

O encontramos também em monumentos importantes como este dedicado aos girondinos na praça Quinconces, em Bordeaux.

Galo francês vence a águia alemã

Galo francês vence a águia alemã

Ou nos monumentos dedicados aos mortos da primeira guerra mundial.

A origem do galo como emblema dos franceses está ligada ao jogo de palavras entre gallus, o habitante da Gaule, e gallus o animal. Após a queda do império romano, esta representação dos franceses cai no esquecimento. Mas no século XII ela é retomada pelos ingleses e alemães, inimigos da França. Eles diziam que os reis Louis VII e Philippe Auguste possuíam todos os defeitos do galo: brigão, arrogante e com os pés nos excrementos.

Mas com o passar dos anos, os reis franceses transformaram o termo galo em sinônimo de proteção, de coragem, o veiculando à idéia de monarcas defensores dos seus povos, como o galo no galinheiro.

Louis XIV apreciava este emblema e por isso encontramos galos na galeria dos espelhos de Versailles. Já Napoleão o detestava, preferindo as imagens da águia e da abelha.

A verdade é que o galo é o símbolo de uma França rural em vias de desaparecimento e os citadinos não são sensíveis ao seu charme. Fato curioso, hoje ainda os diplomatas dos outros países, para representarem a França, o utilizam com mais facilidade do que a própria diplomacia francesa. Oficialmente, o galo como emblema está relegado às áreas subalternas como, por exemplo, o esporte.

Qual imagem histórica, hoje, poderia representar a França? O problema está aí. Não existe um outro emblema que seja politicamente correto. Todas as antigas imagens representativas estão relacionadas ou com a monarquia ou com períodos difíceis da história francesa.

Só o rei do galinheiro é neutro e assim ele vai sobrevivendo…

Crédito foto galo nas igrejas Père Igor.

Crédito segunda foto Jean Marie David