Faço aqui meu mea culpa. Nunca escrevi um artigo entusiasta sobre o bairro La Défense e, para falar a verdade, estive lá poucas vezes. Claro que, quando o arco – La Grande Arche – foi inaugurado, o visitei e admirei este monumento que fecha a grande perspectiva cujo ponto de partida é a pirâmide do Louvre.

Quando li a primeira frase do email do arquiteto Maurício Azenha Dias – acho curioso como muitas pessoas vão a Paris e deixam de conhecer o La Défenseminha primeira reação foi a indagação “por que conhecer um lugar que é o antônimo de Paris?”

Continuo a leitura e Maurício me fala sobre a “escala urbana agradável da região”, sobre “espaço generoso, com prédios de arquitetura contemporânea e grandes esculturas urbanas de artistas como Mirò e Calder”. Me informa que “La Défense representa o que gostaríamos de ver nas cidades brasileiras, afinal temos Paris com um gabarito baixo, prédios residenciais e serviços e, ao lado, uma área específica para os grandes edifícios e corporações.

De repente comecei a ver o La Défense sobre o ponto de vista de políticas urbanas e me dei conta que a sua existência foi determinada pela necessidade de preservar Paris e seu patrimônio arquitetural.

Então digo a todos, viva o La Défense e basta olhar as fotos do Maurício para verem a beleza do espaço.

Como ir: basta pegar o metro linha 1 e descer na estação La Défense.

Leiam um artigo publicado em 2007 clicando aqui e um outro com belas fotos do La Défense publicado em 2009, clicando aqui. Neste último artigo discuto se vale a pena ficar hospedado nesta região.

Conheça também o shopping center do La Défense que fica aberto aos domingos