As diferenças culturais entre Brasil e França vão desde sutis nuances até verdadeiros choques culturais.

Sem certo ou errado, cada sociedade desenvolveu suas regras de conduta, comportamento e etiqueta de acordo com seu passado, temperamento, influências e, até mesmo, seu clima.

Dependendo da pessoa e da situação, essas diferenças podem ser vividas (1) como uma “atração turística” a mais (uma curiosidade de viagem a ser contada para os amigos e familiares); (2) como uma barreira que nos trava ou, mais importante, (3) como um aprendizado que nos faz descobrir que há muitos jeitos de viver.

(foto:no Shutterstock)

Abaixo falamos sobre algumas dessas diferenças que, para nós, foram/são as mais marcantes:

Bom dia obrigatório

Até hoje, mais de trinta anos passados neste país, acho que o sorriso é um bom começo. Sorrio para o funcionário e pergunto uma informação. Recebo de volta somente um seco “bonjour”. Mais uma vez me esqueci que o “bom dia” é introdução obrigatória não importa a circunstância: diante da atendente, da enfermeira, do chofer, do jornaleiro, do guarda, do padeiro, do médico, de todo mundo. No encontro entre amigos íntimos podemos substituir o bonjour obrigatório por um coucou ou salut. Sinto falta da espontaneidade brasileira, do sorriso que abre portas, de pequenos gestos que falam muito.

Relação pais e filhos

Tive tempo de sobra para comparar os dois modos de educação, brasileiro e francês. Nós brasileiros somos mais amorosos, mais corporais, mais beijoqueiros. No Brasil, mesmo fora do meio familiar, nas escolas maternais por exemplo, os educadores podem colocar a criança no colo e fazer um pequeno carinho em momentos difíceis. Na França, e em outros países europeus, o contato físico é enquadrado. Aqui em Paris, observando a ausência de gestos carinhosos, uma mãe brasileira pediu ao psicólogo da escola para pegar sua pequena no colo quando ela chorasse. Ele ficou constrangido, pois não tinha o direito de tocar nos alunos. Este enquadramento é resultado de políticas de prevenção da pedofilia. Que por sua vez resulta de denúncias e movimentos sociais. Daí a importância da discussão até onde o estado pode legislar a vida dos cidadãos.

Amizades

Durante um jantar, de repente o clima fica pesado entre dois convidados, amigos de longa data. Surpresa, interpreto a cena como o final da amizade. Alguns dias mais tarde revejo as mesmas pessoas sorridentes e amigos de sempre. Correção: assisti uma discussão tônica e estimulante do ponto de vista intelectual. Aprecio viver no interior de uma cultura que permite a divergência de opinião. Aprecio mais ainda conviver com pessoas que conseguem discutir e comparar posições contrárias. Que são amigos apesar das diferenças ideológicas e políticas.

Maneira de conduzir

Nada de diferenças brutais. Primeiro, dirigimos no mesmo lado. Ainda bem. Imagino que a adaptação ao lado inglês seja estressante. Segundo, se jogar de carro na praça do Arco do Triunfo, para nós brasileiros, é fácil. Pelo menos para aqueles que nasceram antes das rotatórias. Terceiro, como em qualquer país civilizado, tanto no Brasil como em Paris, interjeições mais ou menos mal educadas ajudam a evacuar a impaciência nos engarrafamentos. Como nós, os franceses uma vez no volante são adeptos dos palavrões. A única diferença, por sinal brutal, é a qualidade das estradas e autoestradas e o super respeito aos pedestres e ciclistas.

Carros ao redor do Arco do Triunfo (foto: no Shutterstock)

O tempo e a organização das refeições

O aperitivo, a entrada, o prato, os queijos e a salada, a sobremesa, o cafezinho e o digestivo: uma sequência que pode durar mais de quatro horas. Socorro. Nós brasileiros não fomos formatados para suportar mais de 4 horas assentados no mesmo lugar. Um suplício. Para piorar, com as mesmas pessoas à direita e à esquerda. A famosa refeição gastronômica francesa inscrita na lista do Patrimônio Imaterial da Unesco, pode se transformar rápido em tortura. Adoro os bufês brasileiros, a liberdade de trocar de lugar, de interlocutor. De levantar, andar, assentar de novo. Parar de comer, comer de novo. De decidir o meu tempo, em função da minha fome, dos meus interesses.

Maturidade alimentar

Foi aqui que adquiri a maturidade alimentar. Foi aqui que descobri que existe uma maturidade alimentar, uma evolução na relação com os sabores. Se na fase adulta continuamos no estreito limite dos sabores infantis deixamos de lado uma infinidade de produtos, de texturas e de associações. A França expandiu os limites do meu gosto e me empurrou por caminhos desconhecidos. Descobri novos sabores e os prefiro hoje aos sabores de um tempo passado. Às vezes testo, provo algo que adorava. Não, definitivamente mudei.

Escargots (foto:no Shutterstock)

Leia também


diferenças culturais entre Brasil e França

Acesse o site Minha Viagem Paris para descobrir e reservar passeios incríveis em Paris e no interior da França.

 


França Entre Amigos oferece transfers, traslados e passeios privativos de carro com motorista brasileiro por Paris e pela França.

No site Booking você reserva hotéis com segurança e tranquilidade e tem a possibilidade de cancelamento sem cobrança de taxas.

Pesquise horários de trens e preços de passagens e compre a sua com antecedência para garantir os melhores preços.

No site Seguros Promo você compara os preços de várias empresas seguradoras e contrata online o seu seguro de viagem.

Obtenha o orçamento das principais locadoras de carro na França e faça sua reserva para garantir seu carro na Rentcars.

Veja as melhores ofertas de passagens aéreas da Air France.