Já pensou em viajar sozinha, viver a grande experiência de viajante solitária?

Os relatos de viajantes solitárias atraem minha atenção. Admiro a coragem destas mulheres. Em muitas situações estar só exige uma boa dose de coragem.

Não tenho muito experiência enquanto turista alone intrépida mundo afora. Mas considero minha travessia do Atlântico, e a instalação em Paris para o doutorado, uma grande viagem solitária. Desembarquei em Orly – sou da época dos voos internacionais chegando neste aeroporto – consciente que ficaria pelo menos quatro anos. Dentro da minha mala roupas para as quatro estações. Dentro do coração muita aflição e muitas saudades. Uma travessia que transformou nossa vida – a minha e a da minha filha – e que nos apresentou tantas portas a serem abertas… que somos movidas até hoje por um movimento que teve seu início em 1983.

Fora a minha “grande aventura”, conheci poucas experiências de viajar sozinha. Um fim de semana no Mont Saint Michel, seis dias em Florença, quatro dias na região basca francesa…

O que importa é que a minha apreensão de estar só foi dominada.

Hoje, ao ler o relato de mulheres viajantes, percebo que os desconfortos são sempre os mesmos. Eles  existem porque não ocupamos o espaço público da mesma forma que os homens. Uma mulher só, instalada na mesa de um restaurante, na varanda de um café, no bar de um navio se sentirá o alvo de todos os olhares. Mesmo que não atraia nenhum.

Aprendi a dominar estas ocasiões. Observo tudo em volta, anoto diálogos divertidos, tiro fotos. Aproveito o prazer de ser mestre do meu tempo, chamo o garçon e estico o momento. Acompanhada por uma coupe de champanhe e alguns biscoitinhos secos me dou conta que estou bem. Muito bem!

Outras atividades são fáceis: flanar pelas ruas, visitar museus, fazer compras. Neste momentos prefiro mesmo está só. Quando a paisagem é absolutamente fotogênica, me empolgo e não gosto de estar acompanhada. Quem ama fotografar conhece esta situação. Quanto aos museus, cada pessoa possui sua maneira de admirar arte. Uns passam horas diante de cada tela. Outros não. Faço parte deste grupo.

Sem dúvida alguma quando estamos sós tudo é mais forte. Mais intenso. Não estamos mais nos deixando guiar distraidamente. E todas as lembranças da viagem serão acompanhadas por esta sensação de intensidade. E de liberdade!

Que tal viajar sozinha a próxima vez!!

Se você planeja viajar sozinha, leia um artigo que publicamos com conselhos práticos para viajantes solitárias (clique aqui).