Quando publicamos o artigo sobre o Seguros Promo – site de comparação de preços das principais seguradoras de viagem – e a necessidade de ter o seguro saúde e repatriamento para entrar na França, surgiram entre os leitores várias dúvidas, surpresas e colocações.

Nesse artigo abordaremos algumas questões sobre o seguro saúde e repatriamento.

questões sobre o seguro saúde

Para entrar na Europa, você precisa apresentar o seu seguro de saúde e repatriamento. Foto: ShutterStock

1) “O seguro de saúde e repatriamento é obrigatório?” / ” Só vou passar 3 dias na Europa, preciso do seguro saúde?”

O seguro de saúde e repatriamento é um dos documentos que o turista brasileiro deve apresentar, obrigatoriamente, ao ingressar na França – ou em qualquer outro país do espaço Schengen (União Europeia + Islândia, Noruega e Suíça) – independente do número de dias da viagem. Além dele outros documentos são exigidos: clique aqui e leia nosso artigo com a lista completa.

2) “Já fui a Europa 5 vezes e nunca me pediram o seguro ao passar pela imigração.”

Você teve sorte. Se o agente de imigração exigir a apresentação do seguro e o turista não tiver, ele terá a entrada no país negada.

De qualquer forma, o mais importante do seguro é a cobertura no caso de possíveis acidentes ou emergências médicas. Sem o seguro, o turista terá que arcar com as despesas médicas e/ou hospitalares decorrentes de um acidente ou enfermidade. E esses custos são altíssimos.

3) “Ao comprar as passagens aéreas com meu cartão de crédito internacional já estou automaticamente segurado?”

Em princípio sim mas isso vai depender do “poder” do cartão. Os cartões mais poderosos como o o Visa Platinum, por exemplo, cobrem acidentes e emergências médicas do titular do cartão, seu cônjuge e filhos menores de 23 anos durante a viagem (máximo de 60 dias). Cartões menos poderosos como o Visa Gold ou Classic possuem a cobertura para acidentes mas não para gastos médicos. Nesse último caso, é aconselhável que a pessoa contrate o seguro saúde e repatriamento de uma seguradora pois, caso ocorra uma emergência médica, o limite do cartão de crédito pode não ser suficiente para pagar as despesas.

questões sobre o seguro saúde

As operadoras de cartão de crédito oferecem o seguro saúde. Foto: ShutterStock

O conselho é ligar para a operadora do seu cartão de crédito e verificar a abrangência (acidentes, emergências médicas, repatriamento do corpo e dos acompanhantes em caso de morte) e o valor da cobertura do seguro oferecido. Para os países do espaço Schengen – que inclui os países da União Europeia mais Islândia, Noruega e Suíça – esse valor deve ser de, no mínimo, 30.000€.

Atenção: se for praticar esportes radicais (esqui, alpinismo etc) é preciso fazer um seguro específico!

Para emitir o Bilhete de Seguro (o documento a ser apresentando ao agente de imigração) entre em contato com a central de atendimento do seu cartão de crédito e faça a solicitação. Ele lhe será enviado por email.

4) “Qual a diferença entre o seguro dos cartões de crédito e os seguros das seguradoras?”

O seguro saúde e repatriamento contratado junto às seguradoras é mais amplo e pode ser adaptado à sua viagem. Você pode também escolher um seguro cuja cobertura seja mais alta do que os 30.000€ exigidos (no caso de você viajar para um país onde os custos médicos e hospitalares sejam caros).

Mais uma vez o importante é verificar as condições oferecidas e escolher um seguro que seja o ideal para você e o objetivo da sua viagem.

questões sobre o seguro saúde

Os seguros contratados junto às seguradoras são mais amplos e personalizados. Foto: ShutterStock

Além disso todas as seguradoras oferecem atendimento em português, 24 horas por dia e 7 dias por semana. Algumas oferecem o atendimento até mesmo por Skype, Whatsapp ou por aplicativo da própria seguradora.

Há seguros bem baratos – 8 reais por dia de viagem – que vão lhe dar tranquilidade durante as férias sem pesar no bolso.

IMPORTANTE

Em qualquer dos dois casos – seguro do cartão de crédito ou seguro de seguradora – o mais importante é: em caso de acidente ou emergência médica ligue ou entre em contato imediatamente com a central de atendimento. Eles cuidarão da coordenação dos serviços prestados e arcarão com todas as despesas médicas cobertas pela apólice, ou seja, você não terá que pagar por elas.

Caso você não consiga ligar para a central de atendimento, você deve ir a um médico ou hospital licenciados e credenciados, pagar pelos serviços prestados e apresentar as notas médicas ao seguro para reembolso. Se você se consultar com qualquer médico ou for para qualquer hospital corre sério risco de não ser reembolsado. O ideal é, se possível, já sair do Brasil com nomes e endereços de médicos e hospitais licenciados.

Clique aqui e leia o depoimento de um leitor do blog que foi atendido em um hospital em Paris, pagou pelo tratamento e foi reembolsado pelo seguro. Leia também os comentários com muitas dicas importantes.


No site Seguros Promo, você pode comparar os preços de várias empresas seguradoras e contratar online o seu seguro de viagem. Para os leitores do Conexão Paris, a empresa está oferecendo um desconto. Para obtê-los, basta inserir o código CONEXAO5 no campo “VOUCHER DE DESCONTO” na tela de pagamento.