Por Henrique Rochelle

A programação de dança em Paris é grande. Aqui, alguns destaques do mês de março organizados pra ajudar os planos e visitas culturais.

Le

Le chant de la Terre, ensaio

. Le Chant de la Terre, de John Neumeier / Opéra de Paris (até 12 de Março, no Palais Garnier)

A terceira coreografia de Joh Neumeier para o Ballet da Ópera de Paris é, mais uma vez, baseada em música de Gustav Mahler. Desse vez, o coreógrafo escolheu uma sinfonia melancólica escrita pelo compositor logo depois da morte de sua filha e inspirado pela versão do inglês Kenneth MacMillan, que ele mesmo dançou quando mais jovem. Uma criação intuitiva e emotiva.

http://www.operadeparis.fr/saison-2014-2015/ballet/le-chant-de-la-terre-john-neumeier

Le

O Lago dos Cisnes

. O Lago dos Cisnes, de Rudolf Nureyev / Opéra de Paris (de 11 de Março a 9 de Abril, na Opéra Bastille)

Uma das coreografias mais tradicionais da história do balé, O Lago dos Cisnes, na versão de 1984 de Rudolf Nureyev, tem temporada de quase um mês na Opéra Bastille. Há meses já não há lugares para reservar pelo site da Ópera, mas pra quem realmente se interessa, ainda existem os ingressos da 8a categoria, que são vendidos direto na Ópera, uma hora e meia antes de cada apresentação. São lugares com visão bem limitada, mas também são os mais baratos da casa, a só 5 euros cada.

http://www.operadeparis.fr/saison-2014-2015/ballet/le-lac-des-cygnes-rudolf-noureev

Balé

Saint Petesbourg Ballet Theatre

. O Lago dos Cisnes, La Bayadère, Romeu e Julieta / Saint-Petesbourg Ballet Theatre (de 9 a 14 de Março [duas apresentações de cada obra] no Théâtre des Champs-Elysées)

Uma das mais reconhecidas companhias russas vem em março pra Paris, pra apresentar três coreografias clássicas em seis noites de ballet no Théâtre des Champs-Elysées. O grande destaque é a estrela da companhia, Irina Kolesnikova, que vai dançar todas as noites os papéis principais de algumas das mais emblemáticas coreografias do repertório clássico russo. Com ingressos a partir de 15 euros, o programa, além de encantador, é bem acessível.

LAGO: http://www.theatrechampselysees.fr/danse/danse/irina-kolesnikova-saint-petersbourg-ballet-theatre-1

BAYADÈRE: http://www.theatrechampselysees.fr/danse/danse/irina-kolesnikova-saint-petersbourg-ballet-theatre

ROMEU: http://www.theatrechampselysees.fr/danse/danse/irina-kolesnikova-saint-petersbourg-ballet-theatre-2

Fla

Flamenco, Rafaela Carrasco

. 2a Bienal de Arte Flamenco (9 a 17 de Março, no Théâtre National du Chaillot)

Seguindo o sucesso da Bienal de 2013, o Chaillot apresenta a segunda Bienal de Arte Flamenco, com 9 espetáculos que mostram a diversidade da produção contemporânea dessa forma artística, em parceria com a Bienal e Sevilha. Dança, música, teatro e uma exposição compõem as atividades, em um dos teatros com a vista mais bonita da Torre Eiffel.

http://theatre-chaillot.fr/festival/2e-biennale-dart-flamenco

. Wiebo, de Philippe Decouflé (de 3 a 8 de Março, na Philharmonie de Paris)

Concebida como algo entre um espetáculo e um show, Wiebo é uma homenagem do coreógrafo Philippe Decouflé ao ícone do Glam Rock, David Bowie. Em cartaz na recém inaugurada e concorridíssima Philharmonie de Paris, durante a primeira semana de Março. Este espetáculo está esgotado. Mas você pode entrar no link abaixo e deixar seu email. Você será contatado em caso de novos tickets disponíveis.

http://philharmoniedeparis.fr/fr/activite/spectacle/14083-philippe-decoufle

Bienal

Bienal de Dança Val de Marne

. Bienal de Dança do Val de Marne (de 5 de Março a 3 de Abril, em Vitry-Sur-Seine)

Saindo um pouco de Paris, mas ainda bem perto, a Bienal de Dança do Val-de-Marne é um evento com 62 apresentações, incluindo a aclamada Pixel de Mourad Merzouki. Os eventos da bienal acontecem em Vitry-Sur-Seine, ao sudeste de Paris. A maior parte das apresentações são na Briqueterie, onde é facinho de chegar em alguns minutos, pela linha 7 do Metrô de Paris, ou com a linha 183 de Ônibus. Pra ajudar nos deslocamentos, algumas das apresentações, em locais mais afastados do metrô do que a Briqueterie, têm translado gratuito pra quem tem ingressos. Muita dança contemporânea de alguns dos criadores mais influentes da cena francesa atual. Vale a pena pra quem gosta de dança e quer ver um pouco daquilo que não chega a muitos outros lugares.

http://www.alabriqueterie.com/index.php/en/biennale-de-danse/agenda-biennale

Henrique Rochelle é Mestre e Doutorando em Artes da Cena pela Universidade Estadual de Campinas, e pesquisador do Laboratoire Esthétique, Musicologie, Danse et Création Musicale da Université Paris 8. Financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, Teórico, Historiador e Crítico de Dança, colaborou com a Enciclopédia Dança em Rede, trabalhou com diversas companhias de dança brasileiras e internacionais, e é autor do blog Da Quarta Parede: www.daquartaparede.wordpress.com