por Rodrigo Lavalle

Foto: ©Marc Verhille / Mairie de Paris

Em cartaz no Hôtel de Ville, a exposição ‘Paris Haute Couture’ conta 150 anos de história da alta-costura parisiense. Como diz o texto oficial da mostra, muito mais do que francês, esse métier é particularmente parisiense pois ele reflete o estilo de vida da sociedade rica da época de sua criação (1858).

A primeira parte da exibição é bem didática, uma pena que todo o texto seja em francês. Aqui aprendemos o básico da história da alta-costura com datas e nomes importantes. Aprendemos também algumas regras e requisitos que um estilista precisa seguir para ser considerado ‘de alta-costura’. Essas regras foram reformuladas em 2001 para melhor se adequarem aos tempos modernos e permitir a entrada de novos membros. Atitude mais do que necessária pois desde os anos 70 o número de ‘maisons haute couture’ vinha diminuindo consideravelmente.

Também nessa parte podemos ver fotos do dia-a-dia de trabalho das maisons, croquis originais feitos pelos estilistas e amostras de bordados e plissados intrincadíssimos. O mais interessante aqui é o pequeno resumo das etapas de produção de um vestido, no caso, um Chanel de 2012. Começamos pelo belíssimo croqui desenhado por Karl Lagerfeld, passando pelas amostras de bordados e flores decorativas, pelo modelo-teste feito em toile até chegarmos ao vestido pronto e resplandescente. Conte-se entre uma etapa e outra horas e horas de trabalho…

Foto: ©Marc Verhille / Mairie de Paris

Na segunda parte da exibição vemos as obras em si, ou seja, os vestidos. São pouco mais de 100 peças que mostram não só a evolução da alta-costura, mas também a evolução dos costumes e da estética no último século. As criações vão desde aquelas do primeiro grande ‘couturier’, Charles Frederick Worth, até recentíssimos vestidos da conceitual Maison Martin Margiela e da jovem Bouchra Jarrar, ex-assistente de Nicolas Ghesquière na Balenciaga. Há que se notar, no entanto, a pouca representatividade de marcas não francesas como Giorgio Armani, Versace e, até mesmo, Valentino.

A cenografia dessa segunda parte, apesar de linda – os vestidos ficam expostos em caixas de vidro – deixou o espaço de circulação um pouco apertado. Eu visitei a exposição em um dia de semana à tarde com poucas pessoas presentes e, às vezes, ficava difícil andar. Além disso, achei o ambiente pouco iluminado (talvez para não danificar as roupas) o que tornava impossível ler os textos colados nas caixas de vidro.

Apesar desses detalhes a exposição é magnífica. Admirar esses vestidos ao vivo e ver toda a engenharia por trás de suas construções e a riqueza de seus ornamentos é de tirar o fôlego. E o fato dela ser gratuita a torna ainda mais imperdível!

“Paris Haute Couture”
 – 2 de março a 6 de julho – segunda à sábado de 10h às 19h – Hôtel de Ville – Salle St-Jean – 5 rue Lobau – 75004 Paris – metrô linhas 1 e 11 – estação Hôtel de Ville.