Por Rodrigo Lavalle

A Moynat, inaugurada em 1849 (5 anos antes da Louis Vuitton) pelos artesãos Octavie e François Coulembier, é a mais antiga fabricante de malas da França. Assim como a sua principal concorrente na época, a empresa iniciou suas atividades quando as estradas de ferro (e posteriormente os carros) começavam a dominar o mundo.

Sempre pesquisando e utilizando novos materiais e técnicas construtivas, a marca ficou famosa por suas malas leves (tão importantes quanto hoje para se evitar o pagamento de excesso de peso), impermeáveis, seguras e com design inteligente que as faziam se adaptar aos carros da época.

Apesar de toda o seu sucesso e prestígio e de ter criado uma gama de outros produtos além das malas, a marca foi se tornando obsoleta com o passar dos anos, acabando por encerrar suas atividades em 1976. Desde então o nome foi passando de mão em mão e, ironia das ironias, foi comprado em 2010 por Bernard Arnault, CEO da LVMH, empresa que possui, entre outras marcas, a Louis Vuitton.

No fim de 2011 a Moynat foi relançada e uma nova loja de 200mfoi aberta no número 348 da rue Saint-Honoré, corredor fashion da cidade, próximo a loja da também concorrente Goyard. Os produtos são sofisticadíssimos e caríssimos (pouca coisa por menos de 1.000€), o design é simples, elegante e unissex. O foco fica nas alças e nos fechos das bolsas, obssessão dos fundadores da marca. O marketing tem sido discreto e a intenção é se manter como um produto de luxo conhecido por poucos. Imagino que Bernard Arnault, depois da sua tentativa frustrada de comprar a maioria das ações da Hermès, tenha querido lançar um competidor à altura e que pudesse, no futuro, se igualar à Hermès e às suas bolsas-ícone.

Rodrigo Lavalle é consultor compras indicado pelo Conexão Paris. Clique aqui para conhecer sua proposta.