Após  leitura de entrevista no Le Figaro, me perguntei se os homens não possuem com o relógio a mesma relação que as mulheres possuem com as bolsas.

Apesar de podermos consultar as horas para todos os lados, a funcionalidade primeira do relógio continua sendo a visibilidade do tempo. Em seguida entram em jogo as funcionalidades adicionais. Por último, a função mais importante. Para o homem o relógio, além de ser um sinal exterior de poder e a sua peça mais íntima,  é sobretudo um objeto de desejo.

Há trinta anos atrás, o relógio durava a vida todo e era transmitido de geração em geração. Nos anos 1980/1990 Swatch o transformou em acessório de moda e a tendência passou a ser possuir vários modelos a preços acessíveis. A relojoaria de luxo reagiu e, para um segmento do mercado, o relógio não é um acessório e sim o objeto sonhado que vai dar a cadência dos eventos de toda uma vida.

O portal francês La Cote des Montres é dedicado aos relógios excepcionais. Além de anunciar todos os eventos em torno da relojoaria,  eles publicam o valor atualizado dos relógios novos e usados.