. Apéritif (aperitivo): bebida feita com plantas para facilitar a digestão. Como as plantas eram quase todas amargas, os farmacêuticos decidiram misturar os apéritifs com licores. Foi somente após a primeira guerra mundial que o apéritif foi assumido como bebida festiva e deixou de lado o álibi digestivo.

. Baionnete (baioneta): a baionnete é originária da Bayonne, cidade situada na costa basca francesa. Durante o século 17, os camponeses revoltados inventaram uma arma nova. Sem pólvora, eles tiveram a idéia de acrescentar uma longa faca na ponta do fusil. Invenção que as Forças Armadas francesas recuperaram rapidamente.

. Biscuit (biscoito): quando os soldados partiam para a guerra levavam nas sacolas um pão fino e cozido duas vezes (bis cuit). Ele era bem seco, crocante e resistente ao tempo e à umidade.

. Bonbon (bombom): quando Marie de Médicis, que adorava doces, trocou a Itália pela França para se casar com o rei Henri IV, ela trouxe consigo seu chef confiseur, especialista em balas e vários outros alimentos tendo o açúcar como ingrediente principal. As sucreries que ele preparava se tornou a alegria da meninada que vivia na corte real. Na hora da distribuição de balas as crianças corriam pelo castelo gritanto: C’est bon! C’est Bon! Aí a origem da palavra bonbon.

. Boycott (boicote): Charles Boycott, administrador de um rico fazendeiro irlandês, tratava tão mal os camponeses que  um dia eles se revoltaram e não fizeram a colheita de 1879. A Europa toda ficou sabendo da revolta e desde o ano seguinte a França já tinha incorporado o verbo boycotter.

. Cravate (gravata): os mercenários croatas de Louis 13 e Louis 14 pertenciam ao Regiment du Royal Cravate. Eles chamavam a atenção pela coragem e também pelo fino tecido que eles enrolavam em torno do pescoço. Este acessório croata chamou a atenção dos nobres da corte que o adotaram no lugar do babado rendado usado na época. E assim a cravate entrou no armário dos franceses.

. Croissant (croissant): em uma manhã de 1683, os turcos tentaram atacar Viena. Mas os padeiros escutaram o barulho da cavalaria inimiga e alertaram os militares que conseguiram, a tempo, barrar os atacantes. Para festejar a vitória, os padeiros inventaram uma viennoiserie cuja forma lembrava a lua crescente (croissant de lune), emblema das bandeiras turcas. Em 1770 Marie Antoinette, vindo da Áustria, introduziu o croissant na corte francesa.

. Grève (greve): na época dos gauleses, a praça diante da, hoje, Prefeitura de Paris se chamava Place de Grève. Era lá que, na Idade Média, os trabalhadores se reuniam para procurar trabalho. Dizia-se na época que eles estavam em grève, à procura de trabalho. Foi no século XIX, com a industrialização, que a expressão passa de “procura de trabalho” para “interrupção do trabalho” e adquire o sentido que conhecemos hoje.

. Grog (grogue): esta palavra, hoje na França, designa uma preparação que tomamos quando estamos gripados: chá, uísque, limão e mel. Mas o grog foi um pequeno presente servido aos marinheiros à bordo dos navios da frota inglesa. Para diminuir brigas entre marinheiros bêbados, um almirante decidiu diluir o rum com água. Furiosos os marinheiros atribuiram à esta nova mistura o apelido do almirante, Old Grog, sempre vestido com uma sólida jaqueta cujo nome era grogram.

. Kir (kir): um terço de creme de cassis e dois terços de vinho branco. Depois da segunda guerra mundial, o padre e prefeito de Dijon Félix Kir inventa este coquetel que será servido em todas as recepções oficiais. Seu objetivo era aumentar a venda do cassis, produto típico da região.

. Silhouette (silhueta): durante curto tempo, Étienne de Silhouette foi encarregado das finanças de Louis 15. Bom administrador, ele criou vários impostos entre eles o imposto sobre “sinais exteriores de riqueza”. Detestado pelos nobres e pelos ricos Silhouette virou motivo de piadas: tudo que era feio, mal feito e sem graça era descrito através da expressão à la silhouette. Ele perdeu seu emprego em poucos meses mas legou à lingua francesa a palavra silhouette que designa, hoje, uma forma ou um desenho com contornos esquematizados.

. Sardine (sardinha): veio do provençal sardina e durante muito tempo designou todos os peixes pescados perto da Sardenha e ao lado da Córsega. Hoje, sardine é o delicioso peixinho que degustamos mais em conserva do que fresco.

. Soutien-gorge (sutiã): soutien vem de sustentar e gorge é garganta. Soutien-gorge é um eufemismo para dizer sustenta seio, peça íntima feminina que deu origem à expressão francesa “mentiroso como um soutien-gorge”. O sutiã dá ao seio uma aparência que não corresponde à realidade.

Podemos passar horas, de dicionário em dicionário, brincando com as palavras. Se quiserem, enviem outras histórias e outras palavras.


exposições em ParisNa no site Minha Viagem Paris você vai descobrir e reservar passeios incríveis em Paris e no interior da França.