A exposição Picasso.Mania no Grand Palais demonstra e ilustra com brilho a importância planetária de Picasso. Ela é didática, muito interessante e pequena.

Painél de depoimentos

Painel de depoimentos

Na entrada, encontramos um painel com o depoimento de personalidades internacionais. Arquitetos, pintores, escultores, fotógrafos. Cada um, à sua maneira, tenta definir Picasso e sua importância. Vale a pena ter um pouco de paciência e ver os depoimentos.

Em seguida, mergulhamos na exposição. Abaixo, o relato do que mais nos marcou.

Picasso de Maurizio Cattelan

Picasso de Maurizio Cattelan

. Universalidade e fama planetária

A diversidade de representações de Picasso demonstra a universalidade e a fama planetária do artista espanhol. Do continente africano até a China, as imagens do pintor confirmam que o nome de Picasso é símbolo de arte moderna.

Em destaque na foto acima, a obra de Maurizio Cattelan criada em 1998 para uma exposição do MoMA em New York.

Place Furstemberg de David Hockney

Place Furstemberg de David Hockney

. Fase cubista: passagem obrigatória para arte do século 20

A fase cubista de Picasso conduziu a arte do século 20 a uma pintura mais conceitual. O cubismo inspirou as colagens, a acumulação e reunião de partes para a construção da imagem.

O grande pintor David Hockney reconhece que foi um grande recidivista da exposição de 1960 da Tate Gallery dedicada a Picasso. Nos anos 1980 Hockney revisita o cubismo, afirmando que esta fase de Picasso não impulsionou a arte em direção à forma abstrata, e sim a um retorno a um realismo que leva em conta as descobertas matemáticas da época.

Sua maravilhosa tela representando a nossa praça preferida em Paris, a pequena Furstemberg, é a ilustração perfeita da reeleitura de Hockney da fase cubista de Picasso.

Sala de projeção. Cenas de filmes de diretores influenciados por Picasso

Sala de projeção. Cenas de filmes de diretores influenciados por Picasso

. Picasso: gênio universal que influencia o consumo de massa

Mas a influência de Picasso não se limitou ao terreno da pintura e da escultura. A exposição revela a influência do mestre espanhol nos filmes de Jean-Luc Godard, Orson Welles e tantos outros.

A identificação de Picasso como gênio universal, difundiu sua imagem em vários campos do consumo de massa da indústria automobilística até o rap de Jay-Z.

Demoiselles d'Avignon de Picasso

Demoiselles d’Avignon de Picasso

. Demoiselles d’Avignon: ícone universal

A exposição mostra uma sala inteira dedicada a uma única obra de Picasso: Demoiselles d’Avignon. Obra inspirada no carrer d’Avinyó, uma rua de Barcelona famosa por suas prostitutas. Este quadro violento, que se inspira também na arte africana, se tornou um ícone,inspirando muitas outras demoiselles.

"Demoiselles" de Jeff Koons

“Demoiselles” de Jeff Koons

Como Jeff Koons.

"Demoiselles" de Sigmar Polke

“Demoiselles” de Sigmar Polke

E Sigmar Polke.

Quadro de Andy Warhol

Quadro de Andy Warhol

Picasso: ícone da Pop Art

A pop art rejeitou a arte abstrata que dominava o cenário artístico desde 1940. Seus artistas foram influenciados por Picasso. Os grandes representantes da pop art o viam como um ícone contemporâneo. Roy Lichstenstein considera os anos 50 Picasso como a fonte plástica fundamental do seu trabalho. Assim como Andy Warhol e sua série de heads. Veja o parentesco próximo da tela de Warhol acima e as obras de Picasso.

Último período Picasso

Último período Picasso

. Últimos Picasso: inspiração para street art, nouveaux fauves e outros

A exposição termina com as últimas obras do pintor, seus quadros expostos em Avignon nos anos 1970. Na época, alguns críticos consideraram esta fase como rabiscos de um velho decadente. Estas mesmas obras se tornaram, dez anos mais tarde, modelo para a nova geração de pintores que aparecem nos anos 1980.

No crepúsculo da sua vida, Picasso se inspirou nas figuras barrocas dos mosqueteiros, se inspirou na moral da época de Shakespeare, Gracián e Cervantès.

E todos os novos pintores americanos, dos artistas ligados ao movimento pop como Johns e Warhol até os streets artists como Basquiat e Haring, passando pelos Nouveaux Fauves, pelos trans-avant-gardistas, todos adotaram a pintura que retorna à figuração, à expressão subjetiva e à narração.

Exposição Picasso.Mania até o dia 26 de fevereiro de 2016 no Grand Palais (3 avenue du Général Eisenhower, 75008. Metrô Champs-Élysées – Clemenceau; linhas 1 e 13).