Enquanto planejo minha viagem de férias em janeiro com a família, me dou conta de que uma das coisas mais importantes que aprendi com os franceses foi a viajar. A convivência com amigos franceses me mostrou que o mundo é grande e maravilhoso e, tendo um pouco de curiosidade e paciência para pesquisar, é possível se aventurar por lugares únicos e pouco visitados, que estão fora do circuito convencional.

A primeira vez que ouvi falar de Alter do Chão, no Pará, foi há 15 anos, quando uma amiga francesa veio ao Brasil e se encantou com nossa praia de água de doce. Alter do Chão já é  conhecida e frequentada por brasileiros. E eu até hoje não conheço.

Alter do Chão

Alter do Chão, no Pará. Foto de Sergio Medeiros, no Flickr

 

Foi também com uma francesa, nessa mesma época, que descobri os encantos dos nossos vizinhos latino americanos. Antes de entrar na faculdade, minha amiga passou seis meses viajando pelo nosso continente incluindo países que eu até então não cogitava conhecer como Guatemala, Bolivia, Venezuela.

Nós brasileiros, em geral, somos  pouco criativos para escolher nossos destinos. Nossas férias no exterior costumam se limitar à Europa e aos Estados Unidos. Nossos vizinhos latino americanos, coitados, não merecem muito nossa atenção – com exceção de Buenos Aires, Bariloche e as rotas de vinhos chilenas, que nos fazem nos sentir um pouco na Europa. Acho que isso vem mudando aos poucos, mas ainda somos muito conservadores quando comparados aos franceses.

E como os franceses viajam? Os pacotes de viagem naquele esquemão à la CVC são muito menos comuns. Os franceses, mesmo antes da Internet, sempre planejaram suas viagens sozinhos, com ajuda de guias de viagem. Até hoje, são vendidos na França 10 milhões de guias por ano. Desses, o guia do Routard é responsável por 25% das vendas.

Guias routard

Os guias Routard. Um clássico para o turista francês.

Acho que o Routard sintetiza um pouco o espírito francês de se viajar: conhecer lugares únicos, sem torrar as economias, de uma forma autêntica e convivendo com a cultura local. Lançado nos anos 70 por um jovem francês curioso pelo mundo, o Routard até hoje é tido como fonte confiável.

E posso dizer que fomos e ainda somos influenciadas por esse espírito Routard de viajar – claro que renovado hoje com as todas as possibilidades que a Internet trouxe para o planejamento das viagens. Mas temos muito a agradecer aos franceses. E esse blog é um pouco fruto dessa descoberta.