A França restituiu à Nova Zelandia a primeira das quinze cabeças maories que ela detém.  Assim,  o seu país de origem poderá  enterrá-la segundo os costumes tradicionais.

A Nova Zelândia dirige uma campanha internacional há mais de trinta anos para obter o retorno dos restos humanos que os colonos europeus trouxeram ao longo dos séculos. Durante muito tempo os dirigentes franceses negaram a restituição e permaneceram completamente surdos aos argumentos baseados na necessidade de respeito às tradições religiosas e culturais.

Persistentes, os dirigentes desta campanha conseguiram mudar as mentalidades. As cabeças deixaram de ser simples obras de arte ou objetos étnicos interessantes.  A França devolve restos humanos que merecem respeito.

A capa da revista Piauí do mês passado exibe uma obra de Gabriel Orozco, herdeira da tradição maorie.