A França e sua equipe de futebol multicultural.

Publico esse artigo na parte da manhã, antes do jogo final da Copa 2018. A França ganhará? Não ganhará?

Se ganhar ótimo. Mais um motivo de alegria. Se a Croácia voltar para casa com o título, não tem importância, continuaremos batendo palmas para a equipe nacional.

Torcedores nas ruas de Paris

Me lembro quando a França ganhou a copa de 1998. Nesta época a equipe francesa ganhou o título de black-blanc-beur e passou a encarnar a nova nação francesa mestiça. Parafraseando as cores da bandeira da França, Bleu-Blanc-Rouge, o black-blanc-beur (beur, significando árabe) representava a França multicultural. Todos unidos na fraternidade.

Vinte anos se passaram. Em 2018, na vitória da França contra a Bélgica milhões de torcedores invadiram avenidas e praças de Paris. Jovens festejando a equipe francesa. Todos eles nascidos nesta Franca multicolorida.

Em 1998 a imprensa discutia a pertinência de uma equipe francesa composta somente com jogadores de origem estrangeira. Em 2018, a questão não existe mais. Os torcedores de hoje não conheceram a equipe branca e cooptada entre franceses de raízes, como se diz por aqui.

Torcedores se posicionando nos bares para assistirem o jogo

Foram necessários vinte anos para que o fato se imponha. A equipe é – e era em 1998 – o reflexo da sociedade francesa.

Black, blanc, beur unidos em um grupo sólido.

De acordo com analistas e sociólogos, a explicação para o sucesso da equipe 2018 deve-se às características do coletivo que formam.

O sociólogo Emile Durkheum dizia que um conjunto é indivisível e superior à soma das partes que o constituem. Na equipe de futebol atual, os analistas franceses encontram esse fenômeno. Nenhum jogador se colocou em evidência. A equipe francesa não tem uma estrela como Cristiano Ronaldo em Portugal, Messi na Argentina e Neymar no Brasil.

Os jogadores franceses representam um coletivo e não a soma de individualidades. Juntos eles quebraram os prognósticos e seus torcedores invadiram as ruas com alegria.

Pequeno detalhe para finalizar. Quando nos inserimos na sociedade francesa em 1983, nosso apego à copa do mundo nos transformava em ETs. Aqui o futebol não era o esporte predileto, esse lugar era ocupado pelo ciclismo e pelo rugbby.

A França e sua equipe de futebol multicultural

Torcedores franceses

Não consultamos as estatísticas, mas a imensa reação de alegria que temos presenciado nos faz pensar que o futebol está se tornando um esporte maior na França Multicultural.