Vandalismo turístico na Pont des Arts, quando os turistas trocam cadeados por desenhos.

A questão dos “cadeados do amor” é delicada e controversa. No início, o fenômeno se restringia à Pont des Arts que se tornou mundialmente conhecida como Ponte dos Cadeados. Com a retirada e reforma dos parapeitos da ponte, os cadeados se proliferaram por toda a cidade. O remédio não foi adequado e o feitiço se virou contra o feiticeiro.

Passarela Debilly

Vejam o exemplo de vandalismo turístico na ponte Debilly, uma passarela que liga o museu Palais de Tokyo e a torre Eiffel. Ela não é muito conhecida, não se encontra no centro da cidade e sua frequentação é pequena se compararmos com pontes famosas e centrais.

Cadeados na passarela Debilly

Um exame atento da situação revela os danos causados à estrutura da Debilly pelos cadeados. Os encontramos pendurados até nos fios da instalação elétrica.

Enquanto que na Pont des Arts, os cadeados foram substituídos por desenhos infantis de corações rodeando os nomes dos casais. Evito usar a palavra grafite. Em certos momentos o grafite se torna street art e símbolo de energia criativa. Neste caso temos somente poluição visual.

Vandalismo turístico

Vandalismo turístico na Pont des Arts

Um mínimo de sensatez não faria mal a ninguém. O casal que rabisca na proteção de vidro transparente, que é propositalmente transparente, considera seu rabisco mais atrativo ou interessante do que Sena e seus monumentos?

Do ponto de vista dos cidadãos, exasperados com tanta infantilidade e com a danificação do patrimônio, a prática deveria ser proibida e os infratores reprimidos. Do ponto de vista do Estado, diante do potencial turístico do ritual, a questão é tratada com luvas. E a solução para limpar as intervenções do “voto de amor eterno” nas margens do Sena não foi ainda encontrada.

O problema é que do ponto de vista dos visitantes, esta prática é romântica e inofensiva. Que todos saibam que o vandalismo é um conjunto de atos constituindo uma degradação deliberada aos bens privados e públicos. Estes fatos são sancionados por lei. Como exemplo o tag. Se um desenho provocar degradação leve – se a tinta for lavável – a pena máxima é de 3.750 euros. Se a degradação for mais importante a multa será de 30.000 euros (leia aqui).

Leia também a longa briga entre a Prefeitura de Paris e os cadeados da Pont des Arts aqui, aqui e aqui.