O cafezinho brasileiro não existia na França. Hoje, ele é peça fundamental do marketing das empresas.

Quando me instalei em Paris a primeira diferença cultural constatada foi a ausência do ritual do “cafezinho”. Os primeiros dias da vida dos expatriados é obrigatoriamente uma peregrinação de repartições públicas às secretarias de escolas, de salas de espera de gerentes de bancos às salas de espera de imobiliárias. Em nenhum deles encontrava o reconfortante cafezinho brasileiro. Como me fazia falta este ritual simpático!

Trinta anos mais tarde, o tradicional jornal Le Monde dedica um artigo ao café que invade o cotidiano dos franceses. Segue tradução livre da matéria.

Cafezinho

O gerente do seu te oferece um café? Normal. No banco, no cabeleireiro, no cartório… Não existe mais um local onde a gente não receba um arábica. O cafezinho virou o gesto de convivialidade e o must da experiência cliente.

Você aceita um café? Os franceses agora passam a semana bebendo café sem prepara-lo em casa. O cafezinho se tornou para o banqueiro o que a garrafa de água é para o chofer Uber.

Antigamente, era o sorriso da atendente que garantia a aprovação do serviço. Agora, recebemos um questionário de satisfação. E o café passou a substituir o sorriso como um gesto comercial à mais. Ele é mesmo usado para melhorar a reputação de profissões menos simpáticas e tornar todas as experiências agradáveis. A prova: nos oferecem café nos centros de depilação, no cartório… Das agências imobiliárias às concessionárias de automóveis, todos estes endereços, de onde saímos com a conta do banco vazia, decidiram oferecer café como compensação.

Hoje, qualquer comércio possui seu café corner. Como chegamos nisto?

Os departamentos de marketing das empresas chegaram à conclusão de que o consumidor não espera, hoje, um serviço, e sim uma “experiência”. Após longas pesquisas, os especialistas decidiram que com “um cafezinho” eles transformariam a passagem do cliente pela empresa em experiência gratificante. E foi assim que uma cápsula de café Nespresso a 35 centavos passou a compensar o valor que gastamos no cabelereiro, nas óticas…

Mesmo os restaurantes se sentem obrigados ao ritual. Após a refeição, o garçom propõe: um segundo cafezinho oferecido pela casa?

Não conheço a história do cafezinho brasileiro. Como o café sempre foi nossa bebida nacional, provavelmente a pequena xícara oferecida no âmbito doméstico foi adotada naturalmente como tática comercial.

Se quiser beber um excelente café em Paris, leia este artigo (clique aqui).


cafezinhoNa no site Minha Viagem Paris você vai descobrir e reservar passeios incríveis em Paris e no interior da França.

 


França Entre Amigos oferece transfers, traslados e passeios privativos de carro com motorista brasileiro por Paris e pela França.

No site Booking você reserva hotéis com segurança e tranquilidade e tem a possibilidade de cancelamento sem cobrança de taxas.

Pesquise horários de trens e preços de passagens e compre a sua com antecedência para garantir os melhores preços.

No site Seguros Promo você compara os preços de várias empresas seguradoras e contrata online o seu seguro de viagem.

Obtenha o orçamento das principais locadoras de carro na França e faça sua reserva para garantir seu carro na Rentcars.

Veja as melhores ofertas de passagens aéreas da Air France.