Por Ana Carolina Dani, sommelière das Caves Legrand

A premissa pode parecer paradoxal, mas são certamente as pequenas safras que darão origem aos maiores vinhos. Pelo menos, serão os anos difíceis que melhor revelarão o talento de um produtor e a qualidade de um terroir. Pois produzir um grande cru quando as condições meteorológicas são ideais (como foi o caso em Bordeaux em 2005, 2009, 2010 e, mais recentemente, em 2015) é bem menos heróico que “domar” os caprichos do clima em anos difíceis.

12945482863_410c7bb636_z

Os vinhedos de Côte de Blaye em Bordeaux (foto: Blaye Côtes de Bordeaux no Flickr)

2011 em Bordeaux foi um desses anos “estranhos e misteriosos” que resultaram em vinhos surpreendentes e, muitas vezes, contrários a toda e qualquer lógica. Certas parcelas de vinhas que, normalmente, não resultariam em vinhos de excelente qualidade, fizeram crus surpreendentes. No outro sentido, alguns dos terroirs mais qualitativos da região deram origem a vinhos banais.

Mais do que qualquer outra safra dos últimos anos, 2011 é o exemplo evidente da força do clima e do impacto das condições metereológicas na produção do vinho. Mas ela mostra também que os produtores que melhor souberam se adaptar aos caprichos da natureza  foram os que produziram os melhores crus.

Nessas condições, decisões como controlar o crescimeto da vinha, limitar o rendimento (quantidade de litros de vinho produzida por hectare), triar os bagos de maneira rigorosa e seletiva, entre outras, são cruciais para melhorar a qualidade. Porém, são decisões que têm impacto na produção e que primam pela qualidade em detrimento da quantidade. Infelizmente, nem todos os produtores puderam, ou quiseram, adotar esse caminho.

A vinha e o clima  

Em 2011, as vinhas em Bordeaux apresentavam uma precocididade excepcional, devido, principalmente, a temperaturas excessivamente elevadas no início de abril e a uma primavera bastante quente. A floração, que é uma testemunha importante do ano vegetativo da vinha, se deu em meados de maio, ou seja, cerca de 3 semanas antes do que o hatibutal. As doenças que normalmente atacam os vinhedos nessa época, como o míldio e o oídio, estavam totalmente ausentes. Toda a França se preparava para colheitas precoces, como o que aconteceu em 2003, ano em que os termômetros registraram altas recordes.

Vinhedos do (foto:

Os vinhedos de Côte de Blaye em Bordeaux (foto: Blaye Côtes de Bordeaux no Flickr)

Porém, num revés digno de um cenário de filme de terror, a metereologia mudou e o mês de julho (verão na Europa) chegou trazendo os ventos do oeste e do sul com fortes chuvas e tempestades. A alternância entre tempestades e forte calor maltraram as videiras e os fungos apareceram com força total. A partir do mês de agosto, o sol voltou a brilhar e as chuvas cessaram de cair, mas por pouco tempo. O tempo era instável e as chuvas apareceram aqui e ali.

A colheita se fez entre uma estiagem e outra e o resultado foi bastante estranho: as uvas de terroirs mais “frios”, que normalmente amadurecem mais tarde, estavam prontas antes do que as uvas precoces, que são as primeiras a serem colhidas.

As primeiras degustações indicaram vinhos com textura macia e sedosa, porém com aromas e gostos surpreendentes, como uma mão de aço numa luva de seda. Vinhos que surpreenderam e que continuam surpreendendo hoje e que expressam, antes de mais nada, o talento dos melhores produtores da região.

São justamente esses produtores que as Caves Legrand selecionaram esse mês para os leitores do Conexão Paris. Como os preços estão bastante especiais, somente podemos vender as caixas fechadas (caixas de 3, 6 ou 12).

Nossa seleção dos melhores Bordeaux de 2011 (preços sem a detaxe)

Os Outsiders:

Château Bel Air la Royère, AOC Côtes de Blaye (caixa de 6) = 19,00€ / garrafa

Clos Puy Arnaud, AOC Côte de Castillon (caixa de 12) = 26,20€ / garrafa

Château des Eyrins, AOC Margaux (caixa de 6) = 27,00€ / garrafa

Château Les Ormes de Pez, AOC Saint-Estèphe (caixa de 12) = 29,50€ / garrafa

Château Quinault l’Enclos, AOC Saint-Emilion (caixa de 12) = 32,80€ / garrafa

Château Sociando Mallet, AOC Haut Médoc (caixa de 12) = 36,00€ / garrafa

 

Os Crus Classés do Médoc:

Château Pichon Baron, AOC Pauillac, 2° Cru Classé (caixa de 6) = 102,40€ / garrafa

cp

Château Pichon Baron (foto: BillBl no Flickr)

Château Pichon Comtesse, AOC Pauillac, 2° Cru Classé (caixa de 12) = 109,96€ / garrafa

Château Montrose, AOC Saint-Estèphe, 2° Cru Classé (caixa de 12) = 100,80€ / garrafa

Château Rauzan Ségla, AOC Margaux, 3° Cru Classé (caixa de 12) = 82,50€ / garrafa

Château Duhart Million, AOC Pauillac, 3° Cru Classé (caixa de 12) = 86,52€ / garrafa

Château Lynch Bages, AOC Pauillac, 5° cru classé (caixa de 6) = 108,50€ / garrafa

Château Pontet Canet, AOC Pauillac, 5 cru classé (caixa de 12) = 96,22€ / garrafa

Château du Tertre (caixa de 12), AOC Pauillac, 5° Cru Classé = 36,65€ / garrafa

 

Pomerol et Saint-Emilion:

Château Canon-la-Gaffelière, AOC Saint-Emilion Grand Cru (caixa de 6) = 70,25€ / garrafa

Château la Mondotte, AOC Saint-Emilion Grand Cru (caixa de 6) = 152,73€ / garrafa

Château Gazin, Pomerol (caixa de 6) = 68,73€ / garrafa

6021713684_6e676e192e_z

Château Gazin (foto: Gironde Tourisme no Flickr)

Château Hosana, Pomerol ( caixa de 6) = 123,71€ / garrafa

Château La Conseillante, Pomerol (caixa de 12) = 109,96€ / garrafa

Château Petit Village, Pomerol (caixaq de 12) = 59,56€ / garrafa

 

Os Crus de Excepção:

Château Margaux, AOC Margaux (caixa de 6) = 504,00€ / garrafa

Château Mouton Rothschild, AOC Pauillac (caixa de 6) = 524,16€ / garrafa

Château Lafite Rothschild (Magnum), AOC Pauillac (caixa de 6) = 1.221,82€ / garrafa

Château Latour (Magnum), AOC Pauillac (caixa de 3) = 1.260,00€ / garrafa

Château Haut Brion, AOC Péssac Léognan = 534,24€ / garrafa

Château Figeac = AOC St Emilion Grand Cru (caixa de 6) = 127,64€ / garrafa

 

9050036448_aaef4f225d_z

Château Figeac (foto: Graeme Churchard no Flickr)

Château Angelus, AOC St Emilion Grand Cru (caixa de 6) = 290,18€ / garrafa

Château Ausone, AOC St-Emilion Grand Cru (caixa de 6) = 748,36€ / garrafa

Château Cheval Blanc, AOC St-Emilion Grand Cru (caixa de 6) = 678,20€ / garrafa

Château Lafleur, AOC Pomerol (caixa de 6) = 610,91€ / garrafa


Saiba como ir de Paris até Bordeaux clicando aqui


Clique aqui e leia todos os artigos escritos pela Ana Carolina Dani.


Espaço KrajcbergAcesse nosso novo site Minha Viagem Paris para descobrir e reservar passeios incríveis em Paris e no interior da França.

 


França Entre Amigos oferece transfers, traslados e passeios privativos de carro com motorista brasileiro por Paris e pela França.

No site Booking você reserva hotéis com segurança e tranquilidade e tem a possibilidade de cancelamento sem cobrança de taxas.

Pesquise horários de trens e preços de passagens e compre a sua com antecedência para garantir os melhores preços.

No site Seguros Promo você compara os preços de várias empresas seguradoras e contrata online o seu seguro de viagem.

Obtenha o orçamento das principais locadoras de carro na França e faça sua reserva para garantir seu carro na Rentcars.

Veja as melhores ofertas de passagens aéreas da Air France.