Na semana passada, publicamos um relato sobre a visita guiada ao Museu do Louvre em companhia da guia Zildinha. Entre as grandes obras-primas do museu, Zildinha apresenta também os aposentos de Napoleão III e nos conta a deliciosa história de Louis Vuitton, o empacotador de malas do império. Conforme prometido, aí está a história.

No século 19, não havia malas. Para viajar, os nobres deviam contratar um embalador, que fazia pacotes sob-medida para proteger roupas e objetos de valor durante a geralmente longa jornada. Os vestidos com creolina, que chegavam a medir até 5 m de diâmetro, eram acomodados em grandes caixas brancas, pesadas e com a tampa curva,  que depois eram jogadas fora.

Em meados do século, Louis Vuitton, aprendiz do ofício de empacotar, é descoberto pela esposa de Napoleão III, Eugênia, que logo se encanta pelo trabalho do jovem e passa a exigir que suas bagagens sejam embaladas apenas pelo cuidadoso e detalhista Vuitton. Após cair nas graças da imperatriz, Vuitton começa a empacotar os vestidos de todas as elegantes de Paris.

Convencido do seu sucesso, em 1854, Vuitton abre a sua própria loja no número 4 da rue de la Neuve des Capucines, perto da praça Vendôme, oferecendo as tradicionais malas de viagem com a tampa curvada para fora – mas bem mais leves do que as que circulavam no mercado.

Retrato de Louis Vuitton

Retrato de Louis Vuitton

Sucesso imediato, Vuitton segue aprimorando ainda mais suas malas, visando uma clientela que começava a viajar com frequência pelas novas estradas de ferro e navios a vapor. Em 1858, Vuitton lança a sua primeira série de mala de viagem, gris-tranon. Com a tampa reta, uma grande novidade, as malas eram fáceis de serem empilhadas e guardadas.

Louis Vuitton está na origem da alta costura, junto com o costureiro Worth, que abre sua primeira boutique em 1857 ao lado da LV e vai encomendar as embalagens ao já consagrado artesão de malas.

Para responder ao sucesso, Louis Vuitton muda seu  ateliê, em 1859, para Asnière, a cinco quilômetros do centro de Paris. Em seguida, abre uma segunda boutique na rue Scribe, perto do grande hotel onde fica o café de La Paix e toda a sua elegante clientela.

Atual site da marca Louis Vuitton mostra fotos do antigo atelier em Asnières

Atual site da marca Louis Vuitton mostra fotos do antigo ateliê em Asnières.

Em 1872, já com muito sucesso e sendo copiado no mundo inteiro, ela lança a mala listrada, à rayures, com listas vermelhas e fundo bege. Quatro anos depois, lança a bege-marron que se torna a assinatura gráfica da casa. Em 1889, no momento da Exposição Universal, lança o modelo jogo de Damas, Damier, com revestimento de pele de toupeira e deposita sua marca com uma fechadura à Gorge (uma única chave para todas as bagagens).

Propaganda em 1898

Propaganda em 1898

Em 1892, antes de falecer, Vuitton prepara um catálogo com todas as suas fabricações para seus descendentes.

Esta é uma das  histórias contadas por Zildinha durante a visita guiada ao Museu do Louvre. Clique aqui e aqui e conheça os outros passeios guiados pela Zildinha.

No antigo ateliê na cidade de Asnière funciona atualmente a Galeria Louis Vuitton, espécie de mini museu da marca. Ela estará aberta para visitação todos os finais de semana de 17 de março a 15 de abril 2018. A visita é gratuita, mas é necessário agendar, clique aqui.