O “efeito Veblen” ou “efeito do esnobismo” é uma teoria do economista e sociólogo Veblen que pode ser traduzida da seguinte maneira: na área do consumo dos bens de luxo, a alta do preço de um produto o torna mais desejável ainda. De uma maneira inversa, a queda do preço do produto se traduz por uma queda do interesse dos compradores potenciais.

O efeito Veblen foi utilizado recentemente para explicar porque os grupos ligados à venda de vinhos prestigiosos levaram 10 anos para denunciarem um falsário brilhante.

Rudy Kurniawan, jovem indonesiano  rico e elegante, montou uma cave de vinhos descrita como a melhor cave do mundo. Sua coleção chegou a 50.000 garrafas com uma preferência pelos antigos vinhos de Bordeaux e Bourgogne. Uma vez aceito pelo ultra fechado club de amadores de vinhos, ele passou à leiloar suas caríssimas e…falsas garrafas.

Alguns enólogos desconfiaram desde o início da autenticidade dos vinhos de Kurniawan mas seus principais clientes agiram de acordo com a efeito Veblen: se um Pétrus 1961 custa tão caro é porque é excelente, mesmo que não tenho o gosto esperado.

O FBI o prendeu no início deste ano após encontrar na sua casa etiquetas falsas de grandes vinhos como Romanée Conti e Pétrus, rolhas e todo o material necessário para contrafação das velhas garrafas.

Este é um caso exemplar que prova mais uma vez a tese de Veblen: se é caro é bom.

Na França, há alguns anos atrás, um conhecido nosso comprou um “montinho de balas embrulhadas em papel de alumínio” por um preço equivalente à um quarto e sala em Paris. Efeito Veblen! Até hoje ele está convencido ter comprado uma obra de arte.

E quando vejo os preços de certas bolsas e sapatos me digo que este efeito possui um vasto campo de ação.