Jovens à espera de uma vítima na lateral da Opera Garnier

Os relatos chegam de todas as partes. Comentários na página do Conexão Paris do Facebook, emails denunciando o ocorrido, relatos de amigos de passagem por Paris e um telefonema de Fabiana Maruno, fotógrafa brasileira que vive na cidade. Não sei o que diz a estatística oficial, mas nunca tivemos tantas denúncias de roubos cometidos nas ruas e sobretudo no metrô parisiense.

A tática é sempre a mesma, seja dentro do metrô, quando o turista entra no vagão ou no final da escada rolante; seja na rua, nos pontos mais turísticos ou nas varandas dos cafés e restaurantes.

Jovens menores originárias do leste da Europa, algumas grávidas ou crianças ainda, rodeiam o turista e criam uma situação confusa, pedem assinaturas ou pisam nos pés da vítima. A pessoa se distrai, tenta entender o que está acontecendo e quando consegue se afastar já foi roubada há muito tempo. Muitos nem percebem o ato.

Fique sempre atento, use bolsas fechadas, não coloque nada nos bolsos. Deixe o passaporte no hotel. Mas se o roubarem, saiba que o Consulado do Brasil fornece em algumas horas um certificado que o substitui. Clique aqui para saber mais detalhes.

Obs: pivette em francês é o nome dado à um pássaro. Provavelmente o nosso pivete possui a mesma origem, mas não tenho em mãos um dicionário de etimologia. Vou lançar aqui o uso do nosso pivette brasileiro.

Consulado-Geral do Brasil em Paris: 65 avenue Franklin Delano Roosevelt, 75008. Metrô linha 9, estação Saint-Philippe-du-Roule.