Tenho observado meus vizinhos do prédio, três adolescentes parisienses.

Nas indas e vindas diárias, entre “Bonjour Madame” e “Bonjour  vizinhos”, brinco de etnóloga em ação. Para situar bem o contexto, o pai deles possui um único exemplar de calça jeans que é retirado do armário em uma única circunstância, nas descidas às caves de vinho do sub-solo.

Percebo que arte parisiense da subtil mistura de peças básicas de marcas baratas com pequenos sinas exteriores de classe se manifesta desde cedo.

Em uma rápida troca de fórmulas banais de boa vizinhança, verifico a veracidade dos artigos da mídia “feminina” quando ela informa que os adolescentes se vestem em H&M ou Asos misturados com pequenos acessórios que definem o grupo social.

.

Ou seja: botas UGG

.

Bolsa Goyard (roubada da mãe)

.

Casaco Maje

.

Óculos McQueen da Persol

.

Pyrenex quando está frio demais.