Sem nenhum fundamento científico, acho  que nós mulheres sofremos muito mais que os homens os efeitos nefastos de roncos noturnos dos nossos companheiros. Estamos sempre reclamando do cansaço de  noites mal dormidas e tentando apagar olheiras profundas.  Será que eles roncam mais? Ou trata-se de uma questão de elegância e generosidade, sofrem mas não dizem nada?

Não importa,  estamos na limiar de descoberta fundamental que vai acabar com a tristeza dos quartos separados e o incômodo de ouvidos tampados com “amortecedores de sons”.

A cadeia de hotéis Crowne Plaza acabou de anunciar que vai testar em Paris um quarto anti-ronco.

Um quarto entupido de novas tecnologias com muros insonorizados que captam as frequências baixas e camas que absorvem sons, almofada para impedir a posição “deitado de costas”, travesseiro recheado de terras raras capazes de criarem campo magnético que abre as vias respiratórias, máquina de “barulho branco” que reduz o ruído ambiente.

E se toda esta parafernália der certo?