Os deputados franceses votaram a probição de três produtos químicos: os phtalates, os parabènes e os alkylphénol.

Estas substâncias químicas, consideradas como tóxicas, são utilizadas na fabricação de produtos  como cosméticos e detergentes.

Qualquer pesquisa rápida na internet sobre “cosméticos parabènes” nos revela dois grupos adversos. O primeiro reúne sites de informação sobre a substância que na realidade é um conservante, sites com a lista dos diferentes nomes para designar este conservante, sites com a lista dos produtos de beleza que contém parabène e fóruns de discussão. Todos mostram uma possível relação entre o produto e algumas doenças, entre elas as hormono-dependentes.

O segundo grupo desenvolve argumento contrário: o parabène não representa perigo para a saúde.

Na dúvida, optei pela precaução, qualidade bem mineira, e todas as vezes que comprava produtos de beleza lia as  etiquetas à procura  da palavra maldita: parabène. Depois descobri que esta palavra pode ser substituída por outros nomes científicos. Não adiantava nada ler a composição química do creme ou da maquiagem se não tivesse em mãos uma listinha de muitos nomes complicados. Acabei me cansando deste estado de alerta.

A decisão dos deputados franceses me coloca de novo na busca de cremes e maquiagem  sem as infelizes consequências tóxicas.