Foto: Banho Turco de Ingres

Acabei de ler o resultado de uma pesquisa sobre a prática do banho dos europeus.

Vamos lá:

– 84% dos franceses tomam um banho todo dia. Em seguida temos: 83% para os espanhóis, 69% para os austríacos, 64% para os alemães, 60% para os italianos e 57% para os belgas…

Grande surpresa, não? Desde datas imemoriais escuto comentários sobre a falta de higiene dos franceses. Eles são os mais limpos da Europa.

A porcentagem da população francesa que não toma banho todo dia é baixa  (16%). A mesma pesquisa no Brasil, qual seria o resultado? Penso nas pessoas classificadas na categoria de SDF (sem domicílio fixo) ou aqueles que vivem em situações de extrema miséria.

Uma amiga brasileira, que conhece bem o Japão, me contou que os japoneses consideram nossa higiene precária.Um fato que os choca é o hábito de termos sapateiras no mesmo espaço onde penduramos vestidos. E o uso dos mesmos sapatos para ambientes externos e internos, é, para o japoneses,  um grande problema de higiene.

De todas as maneiras a questão central não é o banho ou se tiramos o sapato na porta da entrada. Ela está  mais relacionada com olfato do que qualquer outra variável. E esta questão envolve toda a organização da sociedade. Claro que tomar banho e deixar os sapatos do lado de fora é melhor do que o contrário. Mas quando entramos em contado com o estrangeiro, não são estas variáveis que contam na nossa apreciação. É o olfato. Uma vez fiquei ao lado de japoneses no RER do aeroporto para Paris. O cheiro de peixe podre era tão forte que aos poucos todos mudaram de lugar. Eles deveriam ter na malas produtos da culinária japonesa e estavam tranquilos, lendo, banhados pelos odores e lembranças da infância.