Segui com atenção os comentários dos jornais franceses sobre a ida de Lula ao Iran. Quase todos chegaram a conclusão que o encontro provocou uma reação contrária ao seu objetivo: um endurecimento das posições da Comissão de Segurança da ONU.

Com uma análise diferente, me chamou a atenção um artigo do jornal Le Monde que resumo abaixo.

“Os livros de história vão guardar esta data, 17 de maio 2010. O dia em que os países emergentes mandaram um recado aos cinco países que controlam a questão nuclear no mundo: daqui para frente vocês terão que contar conosco, o Brasil e a Turquia.

China, Estados Unidos, França, Gran-Bretanha e Rússia terão que levar em conta que o peso das nações evolui em favor dos emergentes e que a ordem internacional não pode ser regulamentada pelos cinco membros do Conselho de Segurança da ONU.

As ambições políticas do Brasil e da Turquia são legítimas”.

Sem julgar o acordo específico o Le Monde deu uma outra leitura do fato.