Difícil resumir a situação da evolução da gripe H1N1 na França.  As opiniões sobre o perigo deste vírus são contraditórias e os dados publicados sobre a evolução da epidemia, também.

O quadro que se define é o seguinte:

– com o final do verão e o retorno das aulas, o número de pessoas doentes aumenta todos os dias. De acordo com o Institut de Veille Sanitaire, na semana passada foram registrados 6.000 novos casos de gripe. Já os Groupes Régionaux d’Observation de la Grippe anunciam 20.000 novas contaminações por semana.

– Na França Metropolitana somente quatro pessoas morreram por causa da gripe.

– o Governo francês está preparado para dominar a situação no caso de uma violenta epidemia e aconselha à população muita calma. Se a pessoa apresentar sintomas de gripe deve imediatamente parar de trabalhar e de utilizar os transportes comunitários. Deve permanecer em casa, usar máscaras para não contaminar os familiares e tomar analgésicos. Se os sintomas evoluírem e a doença atingir uma fase mais perigosa, com dificuldades para respirar,  o doente deverá entrar em contato com seu médico e marcar uma hora especial, fora do horário de atendimento. Isto para não contaminar todos os outros doentes na sala de espera. Se necessário, o médico irá indicar uma internação hospitalar. O governo pede à população para não procurar os hospitais nos primeiros sinais de gripe. Este recurso deve ser usado somente nos casos graves e confirmados previamente por um médico.

– o medicamento antiviral não deve ser tomado nos primeiros sinais de gripe. Somente nos casos graves e confirmados.

As escolas e as empresas devem ser provisoriamente fechadas caso, no período de uma semana, apresentem três ou mais casos de gripe no mesmo setor.

Este é o resumo, hoje, da situação.