.

A leitora Cristiane me enviou um artigo, publicado no blog de Luiz Nassif, com o depoimento de uma professora brasileira que não pode entrar na França. Ao chegar no aeroporto Charles de Gaulle ela  ficou presa em uma sala e em seguida foi reconduzida ao Brasil.

Contatei a Embaixada da França no Brasil pedindo a lista dos documentos necessários, enquanto turista,  para entrar na França. Me responderam fornecendo um link para o site da Embaixada onde encontrei as seguintes informações:

Todos os estrangeiros, submetidos ou não a um visto de curta duração, que desejarem ingressar na França, devem obrigatoriamente estar munidos de um seguro-saúde e de repatriamento no valor mínimo de 30.000 euros e que cubra todo o território “Schengen” (França, Alemanha, Grécia, Espanha, Itália, Áustria, Portugal, Finlândia, Suécia, Noruega, Bélgica, Holanda, Dinamarca, Islândia e Luxemburgo).

Todos os estrangeiros, submetidos ou não a um visto de curta duração, que desejarem ingressar na França para uma visita particular, familiar ou turística, devem estar de posse de uma reserva de hotel ou um atestado de acolhimento.

O atestado de acolhimento é solicitado pela pessoa que irá hospedar o estrangeiro à prefeitura de seu domicílio. O original desse atestado deverá ser assinado pelo prefeito que o concedeu e visado pelo serviço de vistos do Consulado Geral para aqueles que precisam de visto.

São dispensados de apresentar um atestado de acolhimento:

– os estrangeiros que desejarem efetuar na França uma estada de caráter humanitário ou cultural;

– os estrangeiros que se dirijam à França no contexto de uma emergência médica;

– os estrangeiros que se dirijam à França para os funerais de uma pessoa próxima;

– os familiares de franceses (cônjuge, filhos);

– os familiares de cidadãos da Comunidade Européia.

A Luciana M. do blog Dividindo Bagagem me informou que o Rodrigo Purish, do blog Aquela Passagem, tem um post sobre este assunto. Eu li, está ótimo, mas já teve uma modificação: a imigração não aceita mais uma carta do habitante dizendo que vai hospedar o turista. É preciso apresentar a declaração oficial dada pela Prefeitura.

Se alguém tiver informações complementares peço que nos informe. Porque atravessar o Atlântico, ser mal tratado e colocado de volta no primeiro vôo é uma experiência amarga.

Leia também: