Mudanças culturais

Alguns anos atrás, se eu dissesse  em conversas informais entre amigos franceses que gostava de queijo associado à um doce era imediatamente chamada de bárbara.

A minha deliciosa  goiabada com queijo mineiro era considerada um erro gastronômico de culturas inferiores.

Mais tarde descobri que os corsos serviam queijo com geléia, de preferência geléia de figo. Fiquei mais tranquila. Afinal dentro da cultura superior tinha encontrado, nas margens, claro, uma réplica dos meus costumes bárbaros.

Outro dia, no final de um jantar entre amigos em restaurante reputado pela sua cozinha respeitosa das tradições culinárias, eis que aterrissa na mesa o queijo brie cortado no meio e recheado com nozes, avelãs e mel.

Para completar o prazer da degustação e da fartura açucarada,  um vidrinho de mel ao lado.

Estávamos cronologicamente avançados nas Minas Gerais.

Publicidade

O conteúdo deste post foi decidido pela equipe editorial do Conexão Paris, tendo como critério a relevância do assunto para nossos leitores, não havendo nenhum vínculo comercial com qualquer empresa ou serviço citado no texto. Não recebemos qualquer tipo de remuneração pela escrita e publicação deste texto. Conheça a política de remuneração do Conexão Paris.

94 pitacos, participe desta conversa

  1. roberta disse:

    Demorou ne!? E simplismente perfeito, a culinaria francesa nao poderia ficar de fora! Eu faco uns furinhos no brie com um garfo levo no forno bem rapidinho, ai entao jogo mel e avelas por cima…uh… Mas essa deve ser melhor! E os franceses nao querem ficar para traz.

  2. Gresse disse:

    Ok e, novamente, desculpe-me, pois ao ler a palavra “cultura inferior”, fui acometida de uma cegueira de “interpretação de texto”! Obrigada, mais uma vez!

  3. Lenna disse:

    Beth,
    existe geléia de pimenta, sim. É uma delícia, bem vermelhinha. Mas há de pimenta verde, também! Seu uso é variado. Há quem use com carnes.

  4. Beth disse:

    Juliana Pamplona
    Existe geléia de pimenta???
    Essa eu não conhecia, risos.
    Abs.

  5. Lenna disse:

    Gastronomia é um tema polêmico mesmo, não é???Vocês já pensarem se todas as culturas fossem iguais? Seria uma chatice. Ainda bem que existe a diversidade e gosto para tudo. Continuo com meus vários queijos + doces diversos e até “dulce de leche”, dos “hermanos”, claro!
    Abraços para os “a favor”, os “contra” e a turma que não opina.

  6. Queijo brie saindo do microondas com geléia de pimenta em cima e penetrando nos meios é dos deuses!

  7. Gresse disse:

    Olá Senhora Dr.ª Dona Lina ( não sei como devo lhe tratar),

    Gostei muito do vosso blog! Elucidativo, parabéns! Mas confesso-lhe que fiquei bastante incomodada por uma coisa: a sua expressão de “cultura inferior”. Acredita mesmo que existe uma cultura inferior, baseada em costumes gastronómicos, ou, até mesmo, em outro costume qualquer? Tenho certeza que já leu sobre o psicólogo russo Lev Semenovitch Vygotsky, e deve se aperceber do meu incómodo sobre a sua expressão! Espero não estar a ser indelicada, pois existe o direito da liberdade de expressão, o qual a senhora desfruta, e, por causa deste direito, que, também, expresso o meu incomodo! Obrigada e desculpe-me!

  8. Cristiane disse:

    Apesar de não ser fã de salgado com doce, eu adoro um brie com geléia de damasco ou mel. E se juntar umas amêndoas levemente torradas fica melhor ainda. Gosto tanto que quando vou ao mercado e dou de cara um brie, não resisto e tenho que levá-lo p/ casa.
    E uma vez, numa viagem ao pegar um pedaço do brie e pedir geléia ou mel a um chef francês, ele ficou surpreso e perguntou se ficava bom, eu disse q adorava e ele disse q ia provar, pois ficou curioso.
    Um abraço a todos.

  9. Tania Sciacco disse:

    Nossa! Escolhi justo este post para ler os comentarios?! Vai ser coisa de louco preparar um sanduiche deste 1h40 da manha?

  10. Tais disse:

    Adorei a pitada de ironia que vc usou para falar sobre o modo que algumas culturas interpretam nossos costumes. Acho que na cozinha so nao vale misturar comida com sabao.

  11. Helena Bauerlein disse:

    Adriana Pessoa,
    muito me honrou a sua lembrança !
    Que idéia mais genuína vc e sua mãe tiveram para a lembrancinha do nascimento do seu filhote. Mais carinhosa impossível 1
    Desculpe não ter respondido antes : problemas técnicos !

    Agora sobre a idéia de misturar doce com queijo, aprovo todas as misturas brasileiras e mineiras. Até as americanas, o Cheese Cake, o que mais é senão a mistura saborosa do Creamcheese com geléia de frutas ?
    Quanto às francesas estou com Dodô e não abro !
    Só porque é moda na França, se não nos apetece, rien à faire !
    É como o uisque, os escoceses levam anos para destilar , aí vem o brasileiro e mistura com guaraná ou água de côco. Tenham dó … !

  12. Caio E. z. Rocha disse:

    De fato, queijo com goiabada é Bárbaro! No sentido delicioso da palavra! rssss

    De fato, há algumas invenções cá nossas que demoram pra serem aceitas, mas uma vez descobetas… vide a caipirinha, a feijoada, a boa cachaça!

    Barbaridades!

  13. Beth disse:

    LuciaC
    Combinadíssimo!
    Geléia de damasco só na torta do Kurt, risos.
    E boicote no brie com geléia do Esch…
    Bjs.

  14. Sueli OVB disse:

    ADRINA
    Engrosso a lista dos ansiosos para saber sobre a passagem do Baudrillard em terras mineiras.
    A Lina já recebeu o material, precisa compartilhar com a gente.
    Madá, vou passar a receita.
    Beijos

  15. Lenna disse:

    Lembrei de algo importante: nossos “hermanos” uruguaios em Punta del Este ( lotada de argentinos e brasileiros, também) misturam queijo com doce de leite de várias maneiras. O doce de leite deles é dos deuses e os queijos não tem explicação: são mais do que deliciosos. Encontra-se esses doces e queijos também em Rivera, cidade que faz fronteira com o Brasil.

  16. Madá disse:

    Adriana, tambem adorei o texto de saudacao ao Gabriel. Ele ja é querido por aqui. Obrigada pela oferta da goibada. Enquanto isso, vou atras das dicas da Sueli. Voce poderia fazer um post sobre esse encontro com Baudrillard! Seria muito legal. bjs

  17. Adriana Pessoa disse:

    Nossa!!
    Que bom que vocês compartilharam comigo esta recordação de um momento tão especial.
    Sou muito ligada as coisa do interior de Minas e essa cultura eu tento passar, todos os dias, para meu filho, estando nós, aqui em BH, em Paris, ou em qualquer lugar do mundo.
    Como? É a lembrança de um queijo , de um doce, de um biscoito, de um bordado…é a minha essência.
    Obrigada pelos elogios.

  18. LuciaC disse:

    Beth,
    não me consola saber de seu acréscimo.
    Kms não pode ter a ver com Kgs.
    Não quero esta situação nem para você, nem para mim e nem para ninguém.
    Abaixo a “masse grasse”!
    Estamos na “idade certa” para mudar “certos” paradigmas.
    Sei que a lei da gravidade é inexorável mas quero minha cintura, meu mapa, de volta!
    Parei de fumar de um dia para o outro, olhando para o cigarro. Comecei a achar a atividade sem sentido,
    Parei assim, sem médico ou anestesia.
    Simplesmente cansei de fumar.
    Disse basta e pronto.
    Fui implacável, mas a rebordosa foi séria.
    Que ninguém se aventure sem acompanhamento profissional.
    Curto circuito no metabolismo com direito a humores contemplativos e questionamentos profundos.!
    Mas nada, como diz amiga, que um cafézinho não resolva…
    Agora, geléia de damasco no meu querido queijo quadradinho,
    meu Pont l’ Evêque do coração e eu troco de mal pra sempre!

  19. LuciaC disse:

    Lina!
    Que sucesso o brie recheado com nozes, avelãs e mel.
    Transformou-se em goiabada cascão com queijo da serra da Canastra e entre muitos inspirados comentários deu oportunidade ao sensível depoimento de Adriana Pessoa. Adorei!
    Por fim, chegou a Baudrillard. Quero mais!
    É assim o ConexãoParis absolutamente eclético, repleto de surpresas deliciosas!

Próximos 20 comentários Aguarde, carregando novos comentários

Participe e deixe seu comentário

Seu comentário pode demorar alguns minutos para aparecer no blog.