Mudanças culturais

Alguns anos atrás, se eu dissesse  em conversas informais entre amigos franceses que gostava de queijo associado à um doce era imediatamente chamada de bárbara.

A minha deliciosa  goiabada com queijo mineiro era considerada um erro gastronômico de culturas inferiores.

Mais tarde descobri que os corsos serviam queijo com geléia, de preferência geléia de figo. Fiquei mais tranquila. Afinal dentro da cultura superior tinha encontrado, nas margens, claro, uma réplica dos meus costumes bárbaros.

Outro dia, no final de um jantar entre amigos em restaurante reputado pela sua cozinha respeitosa das tradições culinárias, eis que aterrissa na mesa o queijo brie cortado no meio e recheado com nozes, avelãs e mel.

Para completar o prazer da degustação e da fartura açucarada,  um vidrinho de mel ao lado.

Estávamos cronologicamente avançados nas Minas Gerais.

Publicidade

O conteúdo deste post foi decidido pela equipe editorial do Conexão Paris, tendo como critério a relevância do assunto para nossos leitores, não havendo nenhum vínculo comercial com qualquer empresa ou serviço citado no texto. Não recebemos qualquer tipo de remuneração pela escrita e publicação deste texto. Conheça a política de remuneração do Conexão Paris.

Veja Também

Cadeados do desamor

Setembro: reveillon belga em Paris

Paris: regras de sobrevivência no metrô

94 pitacos, participe desta conversa

  1. roberta disse:

    Demorou ne!? E simplismente perfeito, a culinaria francesa nao poderia ficar de fora! Eu faco uns furinhos no brie com um garfo levo no forno bem rapidinho, ai entao jogo mel e avelas por cima…uh… Mas essa deve ser melhor! E os franceses nao querem ficar para traz.

  2. Gresse disse:

    Ok e, novamente, desculpe-me, pois ao ler a palavra “cultura inferior”, fui acometida de uma cegueira de “interpretação de texto”! Obrigada, mais uma vez!

  3. Lenna disse:

    Beth,
    existe geléia de pimenta, sim. É uma delícia, bem vermelhinha. Mas há de pimenta verde, também! Seu uso é variado. Há quem use com carnes.

  4. Beth disse:

    Juliana Pamplona
    Existe geléia de pimenta???
    Essa eu não conhecia, risos.
    Abs.

  5. Lenna disse:

    Gastronomia é um tema polêmico mesmo, não é???Vocês já pensarem se todas as culturas fossem iguais? Seria uma chatice. Ainda bem que existe a diversidade e gosto para tudo. Continuo com meus vários queijos + doces diversos e até “dulce de leche”, dos “hermanos”, claro!
    Abraços para os “a favor”, os “contra” e a turma que não opina.

  6. Queijo brie saindo do microondas com geléia de pimenta em cima e penetrando nos meios é dos deuses!

  7. Gresse disse:

    Olá Senhora Dr.ª Dona Lina ( não sei como devo lhe tratar),

    Gostei muito do vosso blog! Elucidativo, parabéns! Mas confesso-lhe que fiquei bastante incomodada por uma coisa: a sua expressão de “cultura inferior”. Acredita mesmo que existe uma cultura inferior, baseada em costumes gastronómicos, ou, até mesmo, em outro costume qualquer? Tenho certeza que já leu sobre o psicólogo russo Lev Semenovitch Vygotsky, e deve se aperceber do meu incómodo sobre a sua expressão! Espero não estar a ser indelicada, pois existe o direito da liberdade de expressão, o qual a senhora desfruta, e, por causa deste direito, que, também, expresso o meu incomodo! Obrigada e desculpe-me!

  8. Cristiane disse:

    Apesar de não ser fã de salgado com doce, eu adoro um brie com geléia de damasco ou mel. E se juntar umas amêndoas levemente torradas fica melhor ainda. Gosto tanto que quando vou ao mercado e dou de cara um brie, não resisto e tenho que levá-lo p/ casa.
    E uma vez, numa viagem ao pegar um pedaço do brie e pedir geléia ou mel a um chef francês, ele ficou surpreso e perguntou se ficava bom, eu disse q adorava e ele disse q ia provar, pois ficou curioso.
    Um abraço a todos.

  9. Tania Sciacco disse:

    Nossa! Escolhi justo este post para ler os comentarios?! Vai ser coisa de louco preparar um sanduiche deste 1h40 da manha?

  10. Tais disse:

    Adorei a pitada de ironia que vc usou para falar sobre o modo que algumas culturas interpretam nossos costumes. Acho que na cozinha so nao vale misturar comida com sabao.

  11. Helena Bauerlein disse:

    Adriana Pessoa,
    muito me honrou a sua lembrança !
    Que idéia mais genuína vc e sua mãe tiveram para a lembrancinha do nascimento do seu filhote. Mais carinhosa impossível 1
    Desculpe não ter respondido antes : problemas técnicos !

    Agora sobre a idéia de misturar doce com queijo, aprovo todas as misturas brasileiras e mineiras. Até as americanas, o Cheese Cake, o que mais é senão a mistura saborosa do Creamcheese com geléia de frutas ?
    Quanto às francesas estou com Dodô e não abro !
    Só porque é moda na França, se não nos apetece, rien à faire !
    É como o uisque, os escoceses levam anos para destilar , aí vem o brasileiro e mistura com guaraná ou água de côco. Tenham dó … !

  12. Caio E. z. Rocha disse:

    De fato, queijo com goiabada é Bárbaro! No sentido delicioso da palavra! rssss

    De fato, há algumas invenções cá nossas que demoram pra serem aceitas, mas uma vez descobetas… vide a caipirinha, a feijoada, a boa cachaça!

    Barbaridades!

  13. Beth disse:

    LuciaC
    Combinadíssimo!
    Geléia de damasco só na torta do Kurt, risos.
    E boicote no brie com geléia do Esch…
    Bjs.

  14. Sueli OVB disse:

    ADRINA
    Engrosso a lista dos ansiosos para saber sobre a passagem do Baudrillard em terras mineiras.
    A Lina já recebeu o material, precisa compartilhar com a gente.
    Madá, vou passar a receita.
    Beijos

  15. Lenna disse:

    Lembrei de algo importante: nossos “hermanos” uruguaios em Punta del Este ( lotada de argentinos e brasileiros, também) misturam queijo com doce de leite de várias maneiras. O doce de leite deles é dos deuses e os queijos não tem explicação: são mais do que deliciosos. Encontra-se esses doces e queijos também em Rivera, cidade que faz fronteira com o Brasil.

  16. Madá disse:

    Adriana, tambem adorei o texto de saudacao ao Gabriel. Ele ja é querido por aqui. Obrigada pela oferta da goibada. Enquanto isso, vou atras das dicas da Sueli. Voce poderia fazer um post sobre esse encontro com Baudrillard! Seria muito legal. bjs

  17. Adriana Pessoa disse:

    Nossa!!
    Que bom que vocês compartilharam comigo esta recordação de um momento tão especial.
    Sou muito ligada as coisa do interior de Minas e essa cultura eu tento passar, todos os dias, para meu filho, estando nós, aqui em BH, em Paris, ou em qualquer lugar do mundo.
    Como? É a lembrança de um queijo , de um doce, de um biscoito, de um bordado…é a minha essência.
    Obrigada pelos elogios.

  18. LuciaC disse:

    Beth,
    não me consola saber de seu acréscimo.
    Kms não pode ter a ver com Kgs.
    Não quero esta situação nem para você, nem para mim e nem para ninguém.
    Abaixo a “masse grasse”!
    Estamos na “idade certa” para mudar “certos” paradigmas.
    Sei que a lei da gravidade é inexorável mas quero minha cintura, meu mapa, de volta!
    Parei de fumar de um dia para o outro, olhando para o cigarro. Comecei a achar a atividade sem sentido,
    Parei assim, sem médico ou anestesia.
    Simplesmente cansei de fumar.
    Disse basta e pronto.
    Fui implacável, mas a rebordosa foi séria.
    Que ninguém se aventure sem acompanhamento profissional.
    Curto circuito no metabolismo com direito a humores contemplativos e questionamentos profundos.!
    Mas nada, como diz amiga, que um cafézinho não resolva…
    Agora, geléia de damasco no meu querido queijo quadradinho,
    meu Pont l’ Evêque do coração e eu troco de mal pra sempre!

  19. LuciaC disse:

    Lina!
    Que sucesso o brie recheado com nozes, avelãs e mel.
    Transformou-se em goiabada cascão com queijo da serra da Canastra e entre muitos inspirados comentários deu oportunidade ao sensível depoimento de Adriana Pessoa. Adorei!
    Por fim, chegou a Baudrillard. Quero mais!
    É assim o ConexãoParis absolutamente eclético, repleto de surpresas deliciosas!

  20. Vanessa em Paris disse:

    E por falar em goibada…que saudadesss

  21. Vanessa em Paris disse:

    Obrigada pela resposta, quem sabe um dia que for por perto de Rancy nao caiu no restaurante?! :)hihihi Vou cruzar os dedos, risos
    Mas vc acha q é possivel fazer em casa essa delicia?
    Pelo q vi o mel q eles usaram e o de chataigne. E as nozes estavam quebradas, partidas?! (concasser).
    Se eu entendi bem, seria um sanduba de brie no meio com uma camada de mel(abundante?) e de nozes e levar ao forno p aquecer, certo?
    Ele estava morno mais derretido?
    Qtas perguntas, nossa!
    O ceus estou babando. risos
    beijosss

  22. Magrineli disse:

    Lina,

    Em sua homenagem e a este post, que demonstra o eterno vanguardismo mineiro, comprarei e comerei uma boa goiabada cascão (de Ponte Nova ou São Gonçalo) e um queijinho, de preferência um canastra curado ou do Serro….. hummmmm Que tal? Quando for aí de novo levo uma goiabada (daquelas embaladas em caixa de madeira). Dá uma olhada para você lembrar
    http://picasaweb.google.com/lh/photo/IFxgrsXYyb-7yXOcCafLbOJ_FiB98hPGjNcvS6QTGvU?feat=directlink

    Beijos

  23. Eduarda disse:

    A versão francesa de pãozinho de queijo é o “gougére” feito com a mesma massa do éclair. Diferente do nosso feito com polvilho mas tranqüilamente no páreo (pra uma não mineira, é claro! rsrsrs).Não deixem de experimentar o do Le Notre: delicioso!

  24. Gerson disse:

    Ha! Ha! Ha! Eu nao necessito fazer regime. Entao … obrigado pelas indicacoes

  25. ISABEL disse:

    MONTENEGRO,

    Vc captou a minha carinhosa indignação. Não me conformo de não haver pão de queijo em Paris!
    Meu marido Rogério acha que , por não ser uma receita originalmente francesa, talvez os franceses não queiram dar “ibope” para uma receita estrangeira.
    Digo, mais uma vez, imagine só as receitas cheias de criatividade, com diferentes tipos de queijos e temperos??! Mon Dieu!!
    O meu cunhado é americano e mora na Alemanha, quando minha irmã vem, coitada, ela é intimada a levar quilos daquela farinha pronta Yoki mesmo – o meu cunhado adora, na falta de algo melhor!
    Dou a maior força para o seu recém -cunhado, diga-lhe que já ganhou uma cliente!!
    Beijos a todos,
    Isabel

  26. Montenegro disse:

    Isabel,

    Vc tem total razão quanto ao pão de queijo. Na Europa, só se acha em lojas de produtos brasileiros. Meu recém-cunhado alemão já disse que vai ficar rico abrindo uma franquia da loja da Casa do Pão de Queijo em plena Baviera…(risos).

  27. ISABEL disse:

    Mil perdões pelo inacreditável erro de português!
    Bjs bjs!!!

  28. ISABEL disse:

    BETH,

    Eu estou há dois meses em dieta quase greve-de-fome para quando chegar em Paris me acabar de comer baguettes e queijos – funcionou, já se foram sete quilos! E pouco me importo de engordar tudo de novo!!
    Não tem segredo nem milagre, é fechar a boca mesmo. Mas estou com acompanhamento médico he he he

    Mas eu vou perguntar nas boulangeries se eles não pensam em testar receitas de pão de queijo… acho que se os franceses se debruçassem sobre o tema, seriam criadas maravilhas!!
    Beijos a todos!

  29. Sueli OVB disse:

    GISELE, querida,
    Aparecendo em chave de ouro, há muito sumida, lindo comentário!
    Já tem cardápio de entradinha garantido para o Natal do ano que vem. Eu também achei a idéia fantástica e não vou perder por nada essa experiência.
    Um lindo 2011 para você e sua família!
    Beijos

  30. Gisele Prazeres disse:

    Adriana Pessoa,
    Como sempre adoooooro seus comentários! Que sorte do seu filho ter uma mãe tão especial que está sempre pensando na melhor forma de surpreendê-lo e criá-lo transmitindo isso a todos em sua volta, parabéns pela lembrancinha de maternidade, mais que especial!
    Lina,
    Que pena que essa dica do brien com nozes, amêndoas e mel chegou pós- festas… teria feito sucesso aqui em casa nas nossas ceias (Natal/ Reveillon)! Com certeza experimentarei no lugar do “já tradicional” brie com geléia de damasco! Risos.
    Bjs e Feliz 2011 a todos!

  31. Beth disse:

    José Maurício
    Vc é muito engraçado!
    Risos e abs.

  32. Nilda disse:

    Alguem poderia me dizer se conhece o Hotel Riviera que fica na Rue De Turgot – Ópera???? E tbm o Buffault Grand Hotel Lafayette fica na Rue Buffault – Ópera….agradeço se algum pitaqueiro disser alguma coisa a respeito. Sou viciada aqui no CP, minha leitura diária, mas fico mais na moita, só lendo, me divertindo e sonhando com Paris que irei em abril.

  33. Beth disse:

    Isabel
    Em Paris vc encontra facilmente baguette + queijo, maior delícia…

  34. jose mauricio disse:

    Dodô revelou uma perigosa faceta: A de terrorista gastronômico. Aquelas combinações são verdadeiras bombas…

  35. Jane disse:

    Este post + os comentários estão deliciosos.Como já foi dito aqui queijos e doces são ótimos, juntos ou separados.Muito legal também as dicas generosamente compartilhadas.Anotei para experimentar.
    Abraços

  36. ISABEL disse:

    Olá Lina!

    Estou indo a Paris pela segunda vez, no início de fevereiro. Como ainda estou conhecendo a cidade – e me apaixonando , claro – tenho uma pergunta: se eles adoram tanto os pães, e mais ainda os queijos, por que as boulangeries não trabalham com pães de queijo? Eles poderiam até fazer diferentes tipos de pão de queijo, com diferentes queijos…

    Pão de queijo de verdade, só em Minas, não se compara a nenhum outro lugar com pão de queijo congelado.

    Outro detalhe, falando de msiturar queijo com doces, é que parece que eles estão cedendo à msitura queijo com chocolate, não é? Vc conhece algum lugar que venda essa iguaria?

    Beijos a todos !

    Isabel

  37. Beth disse:

    Lina
    Eu gostava de catupiry quando era jovem, risos.
    Lembra do camarão com catupiry?Também já foi moda!
    Argh! Enjoei para sempre…
    Bjs.

  38. Sueli OVB disse:

    LINA
    Nunca vi você tão entusiasmada como nesse post. Nada como a goiabada casacão, de fazenda, e o queijo da Serra da Canastra! Essa combinação é mesmo imbatível. Temos tido oportunidade de comer ótimos queijos vindos das Minas Gerais. O problema é o teor calórico.

    ADRIANA.
    Adorei a participação do nascimento do João Gabriel. Inspiradíssimo, além de totalmente original.
    Agora em julho, recebi como lembrancinha de aniversário de um ano, do neto de uma amiga, um vidrinho de geléia, encimado por um chapeuzinho de palha, com doce de leite feito na fazenda. Achei uma graça.
    Abraço

  39. Dodô disse:

    Lina, desculpe a irreverência, mas a tentação foi irresistível.
    Madá, ainda bem que a perda do apetite ficou no quase. Escolha um dos seus favoritos e deguste com gosto.
    Claudia Oiticica, obrigado pelo cumprimento. Você merece um camembert sem geléia.
    … E viva o mineiro-com-botas!

  40. Adriana Pessoa disse:

    Lina,
    essa história dos bichinhos, não conhecia não. Rs
    Mas diz um ditado aqui em Minas:
    “Bicho de goiaba, goiaba é!”

    Te enviei um e-mail explicando em detalhes a história do Baudrillard.
    Bjs

  41. Denise disse:

    Lina,

    Chegarei à Paris no próximo sábado e será um prazer levar um vidro de geléia de goiaba mineira para você, assim você mata um pouquinho a vontade.
    Só me diga aonde posso deixar ok!
    Abraço

  42. conexaoparis disse:

    Vanessa
    Estávamos fora de Paris. Uma reunião de colegas do marido. Perto de Rancy. Não coloquei no texto porque não me lembro mais o nome do restaurante.

  43. conexaoparis disse:

    Helio
    Gosto fino! Patês de caças com geléias de gengibre!

  44. conexaoparis disse:

    Beth
    Sabe que o brie com avelãs, nozes e mel estava absolutamente delicioso.
    Como boa mineira associava goiabada com queijo forte da Serra da Canastra.
    Catupiry não entra na minha casa.

  45. conexaoparis disse:

    Adriana
    Varias vezes assisti ao espetáculo do tacho de cobre e a goiabada sendo feita.
    Para as crianças o momento mais divertido era observar o passar da colher na superfície para retirar os bichinhos que começavam a boiar…
    Já contei para vocês que o verdadeiro queijo corso deve ser aberto antes das refeições e colocado no exterior? Durante alguns minutos bichinhos brancos pulam fora.

  46. conexaoparis disse:

    Adriana
    Outro dia alguém me disse que Baudrillard queria conhecer o Brasil de antigamente. Então o levaram para uma cidade do interior de Minas.
    Não me diga que foi na casa da sua mãe!
    Ah! quero saber tudinho.
    Foi uma pessoa chamada Maria Elisa que me contou.

  47. conexaoparis disse:

    Miriam
    Faça outro passaporte. Terá problemas.

  48. conexaoparis disse:

    Dodô!
    Avacalhação, diriam os mineiros.

  49. conexaoparis disse:

    Patrícia
    Les Ombres, de frente para a torre Eiffel.
    O restaurante do museu Centre Pompidou, vista linda de Paris. Mas prefiro o primeiro.
    O Kong pela decoração + vista.

Próximos 44 comentários Aguarde, carregando novos comentários

Participe e deixe seu comentário

Seu comentário pode demorar alguns minutos para aparecer no blog.